Não se preocupe com o cardápio do seu vizinho.

Não julgue o cardápio do vizinho, não dê palpites gratuitos, não faça mexericos a respeito. No final, é ele que vai comer a comida. E no fundo, quando estamos preocupados com o cardápio do vizinho, estamos negligenciando o nosso próprio. É como se estivéssemos comendo do pior, dando palpites no que o outro vai comer.

Dr. Robyn Silverman, especialista em educação de crianças e adolescentes comenta isso no artigo:

Quando crianças, ficamos sempre comparando o que recebemos com aquilo que o irmão recebeu.

Essa comparação que fazemos quando criança tem a ver com a sobrevivência. Estamos lutando pela comida, pela preservação.

Mãe, o Pedro ganhou um pedaço maior que o meu.

Pai, você deu 4 porções para o João e eu ganhei só 3.

Ao crescermos, é natural que essa percepção do mundo competitivo seja amenizada. Percebemos que não temos que lutar para ter um naco a mais de comida ou um milímetro a mais de território.

Mas a realidade é diferente. Esse ímpeto para comparar com quem está no nosso campo de visão é quase implacável.

Não é a toa que os fabricantes de automóveis usam incessantemente a figura do vizinho com carro novo para te convencer a comprar um também.

Recentemente visitei a granja de minha irmã, e verifiquei os resultados do experimento que conduziram, dando um espaço enorme para algumas galinhas correrem e ciscarem.

A idéia era verificar se o nível de estresse se refletiria na postura de ovos.

O resultado inusitado, é que o estresse das galinhas aquinhoadas com mais espaço não se alterou, mas o estresse das galinhas vizinhas que não receberam o benefício aumentou, e com isso houve redução na produção de ovos.

Vejam que a comparação é algo ancestral, e por esse motivo, demanda uma energia enorme e uma disposição para amenizar isso em nós mesmos.

Algumas dicas:

1-Você só acha que tem pouco quando compara com a porção que os outros ganharam. Procure não comparar.

2-Seja grato pelo que tem e pelo que recebeu.

3-Gaste o seu tempo em algo que te engrandeça, deixando menos tempo para comparações fúteis.

4-Relacione suas virtudes, e sinta-se mais confiante com a sua busca pessoal.

5-Estabeleça suas metas, dedicando assim menos atenção às metas de outrem.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta