Não queira ser melhor que o outro.

Evite as comparações e procure realizar os seus projetos por você mesmo.

Realize aquilo que está no seu coração, e não na ambição e projetos de outrem.

Evite ser comandado pela inveja e comparações indesejáveis.

Temos sim, uma tendência a olhar o gramado do vizinho e acha-lo mais verde.

Diz Leo Babauta que uma das razões para não estarmos satisfeitos consigo próprio, é a comparação que fazemos com os outros.

Queremos ser os melhores:

E comparamos, pois queremos sempre constatar que somos melhores, ou estamos em melhores condições. Evite isso, pois vai sempre te deixar infeliz.

Ao se deparar com coisas boas que outras pessoas estão fazendo, fique feliz por eles, e não traga imediatamente para a sua condição, comparando e se depreciando.

Não se sinta horrível pelo que os outros estão realizando.

Olhe para o seu caminho, para os seus próprios projetos e percalços.

As pessoas são diferentes e realizam projetos diferentes. Mesmo que o projeto seja o mesmo, o resultado é diferente, nem melhor nem pior.

Temos que aceitar a pessoa que somos. O que motiva uma determinada pessoa, não necessariamente motiva a outra.

Comparar uma pessoa com outra é como comparar maçãs com laranjas.

São tantos fatores que fazem a individualidade das pessoas, que é praticamente impossível prever o que cada um vai fazer da própria vida, e nesse negócio não há certo nem errado.

Por esses tantos motivos, é uma tremenda perda de tempo ficar se comparando com os outros, tentando se colocar na dianteira como uma corrida de cavalos. A realidade humana é outra. Uma história de independência, autonomia e personalidade.

Se pergunta Babauta: qual a utilidade para a comparação?

Aproveite a sua jornada, se regozije dos seus êxitos, aprenda as lições, torne a sua vida digna e significativa, e se livre da futilidade das comparações.

Seja você mesmo, e seja o melhor que pode ser.

R.S. Beco

 

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta