Não queira mudar as outras pessoas.

Mudar as outras pessoas não é uma condição para você ser feliz.

Na verdade não mudamos as outras pessoas, mas a nossa prepotência faz com que nos empenhemos em mudá-las ao nosso julgamento.

Aceita-as como são. Leve a sua vida, sem querer controlar a dos outros.

Ao tentar controlar e mudar as outras pessoas, quebramos a harmonia dos relacionamentos. Ao fazer isto, nos tornamos chatos, petulantes e companhias desagradáveis.

Queremos sempre que as pessoas digam o que queremos e da forma que queremos.

Queremos que elas ajam da forma como idealizamos e se vistam como julgamos adequado.

Isso é um sinal de prepotência, que nos leva a uma permanente frustração nessa empreitada infrutífera de querer as pessoas ao nosso modo.

Isso também nos impede que apreciemos a riqueza de cada pessoa e que aprendamos lições valiosas em cada interação, pois estamos tão preocupados em mudar e controlar a pessoa que sequer percebemos a beleza que temos à frente.

Essa atitude é um sinal de perfeccionismo, mas também um sinal de insegurança.

Aceitar o mundo como ele, e as pessoas como são é sim uma condição para ser feliz.

Faça uma leitura do livro de Alice Domar: Seja feliz sem ser perfeita.

Você sempre quer as coisas feitas de uma maneira determinada?

Você está sempre preocupada se as outras pessoas irão fazer como você deseja?

Você está sempre interferindo na maneira como as outras pessoas fazem as coisas?

Você dá muitos palpites na vida dos outros?

Você não aceita conselhos e os rechaça, sempre com argumentos objetivos, racionais e quase irrefutáveis?

É bom atentar para isso tudo.

Pode ser uma barreira enorme à sua felicidade.

Trabalhe essa questão do perfeccionismo, que sempre vem associado ao desejo de controlar as pessoas.

Faça uma pausa para respirar e evoque a oração da serenidade, sempre que esse ímpeto aflorar.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta