Não ignore os problemas.

Muitos dos nossos problemas acontecem justamente porque ignoramos os problemas.

Fazemos vistas grossas, negligenciamos, e até fazemos um esforço para ignorar os problemas. Agimos como se isso bastasse para que eles fossem magicamente resolvidos.

É certo que não queremos problemas, mas ignorá-los ou procrastinar não é uma opção inteligente.

As contas a serem pagas não se resolvem por si.

Os conflitos de relacionamentos e as confusões que criamos não se resolvem por si.

Distrações sociais:

Se esconder surfando na internet ou postando nas redes sociais podem te distrair, mas depois disso, você vai se dar conta que os problemas ainda estão lá.

Fazemos isso por insegurança, temos dúvida se vamos dar conta de resolver, tapamos os olhos para não ver a real dimensão do problema, e no fundo, morremos de medo.

A insegurança nos faz comer mais doces, nos coloca no controle remoto da TV, ou mesmo debaixo das cobertas. Quando na verdade, o alívio que tanto desejamos poderia vir de enfrentar os problemas de frente.

Encarar, mesmo que a solução não venha de repente. Quando olhamos para as adversidades de cabeça erguida, elas perdem um pouco do poder de nos assustar.

Caminhe na direção do problema, sem medo, e ouça o que ele tem a dizer, com a mente aberta, e as soluções podem aparecer de repente.

Limpe um pouco a sua área, se livre das tranqueiras e resolva coisas simples, uma pendência no banco, o carro para consertar, ou a limpeza do jardim. Você vai se sentir mais empoderado para prosseguir com os problemas maiores.

Faça uma coisa por vez, um pouco hoje e mais um pouquinho amanhã pode ser a medida para você se animar. E assim, siga persistentemente resolvendo o que tem para ser resolvido.

Peça ajuda quando for o caso, nem tudo precisa ser resolvido sozinho. Amigos e familiares estão aí para te dar apoio.

Deixe um pouco a poeira se assentar para que o horizonte fique mais claro, mas feito isso, parta para a ação, não empurre com a barriga, se coloque em movimento, um dia de cada vez.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta