Não faça inventário dos outros.

Somos mestres em identificar defeitos nos outros.

Nós mesmos, somos perfeitos. Não merecemos qualquer reparo ou correção.

Os outros são seres imperfeitos que dispenderão uma vida ou muitas para se tornar alguém.

Quando faço um inventário dos meus defeitos e das coisas erradas em mim que quero consertar, acabo relacionando as coisas das outras pessoas.

Eu não consegui realizar tal projeto – certamente porque o fulano é incompetente e fez malfeito a sua parte.

Não tenho as oportunidades que gostaria no trabalho – é porque meus pais não investiram na minha educação.

Não tenho posses e vivo na penúria – porque meus familiares não me deixaram qualquer herança.

Sou infeliz porque os outros me fazem infeliz.

Sou pobre porque me tomaram tudo.

Tenho a autoestima baixa porque me pisaram e repisaram todo momento.

Se levante do chão:

Como já comentei, e aprendi a duras pensas – se você não quer ser tratado como capacho, se levante do chão.

E para se levantar, você precisa melhorar, e para melhorar, você precisa identificar os pontos que está disposto a melhorar.

Fazer um inventário dos defeitos dos outros só vai de deixar mais infeliz e não vai te ajudar a melhorar.

Faça um inventário de você mesmo.

Faça com honestidade, objetividade, e sobretudo generosidade.

Ser honesto é ser generoso. Mentir para si próprio é o pior negócio que você pode fazer.

Olhe para o espelho e reflita: não gosto do que estou vendo – quero melhorar – vou melhorar.

Trace um plano de ação e arregace as mangas.

Se o seu inventário contiver demasiados itens, não se desespere.

Um dia de cada vez é o melhor lema.

Você não precisa fazer tudo hoje.

Como já comentei, amanhã você vai ser brindado com outras 24 horas novinhas em folha.

Fique bem e melhore a cada dia.

Beco

1 Comentário

Eliza Lima

about 6 anos ago

Excelente! Obrigada pela contribuição. Fique bem.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta