Não conte pra ninguém.

Pratique a bondade e não conte pra ninguém.

Ouvimos sempre falar no bem que faz praticar atos de bondade, comumente chamados em inglês de random act of kindness.

São aqueles atos normalmente não premeditados praticados no cotidiano, ajudar alguém, presentear alguém, oferecer os ouvidos compassivos, ou mesmo um aconselhamento.

Imagine uma conta corrente da bondade, onde cada ato de bondade praticado soma 10 pontos nessa conta.

Mas tem um detalhe interessante, uma condição. Você deve praticar o ato de bondade e não pode contar para ninguém.

Atos de bondade:

Se você praticar o ato e contar para uma pessoa, seja seu pai, namorado ou amiga, você perde 9 pontos, restando apenas 1 ponto.

Ao contar para a segunda pessoa sobre o mesmo ato, perde mais nove pontos e já está devendo 8 pontos, e assim por diante.

Experimente acumular pontos sem perder nenhum. Não conte pra ninguém e guarde para si esse segredo.

Quando somos pequenos, praticamos o bem e gostamos de contar para os outros. Acreditamos que isso nos faz populares entre os garotos. Mas descobrimos ao longo do tempo que fazer o bem nos faz bem, e contar para os outros corrói aquela virtude que estamos tentando edificar.

Bem estar:

Fazer o bem nos traz um bem estar, e é um ato de beleza espiritual, algo que vem do coração.

Ao abrirmos o coração para atos de bondade, estamos também o coração para perceber e receber a bondade no mundo.

Quanto mais você dá, mais você percebe que tem, pois você percebe a abundância da vida, e o tamanho do seu coração.

Os atos de bondade se reverberam na sociedade. Se você pratica com alguém, essa mesma pessoa terá uma grande chance de fazer o mesmo com outra pessoa, e assim por diante. Estamos na verdade plantando as sementes da bondade.

Ao ensinarmos aos filhos, desde pequenos a praticar e apreciar atos de bondade, estamos estimulando a construção de um caráter generoso. No final, o resultado é um ser mais completo e fortalecido.

Faça o bem e não conte pra ninguém.                                                                R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked