Não atire a segunda pedra.

Não atire a segunda pedra. Quando as pessoas nos ofendem, nos maltratam e nos machucam, é como se elas tivessem nos atirado uma pedra na cabeça. Dói um bocado, o calombo tem repercussões imediatas no coração, e pode até restar uma marca da pedrada.

As pedras seguintes somos nós mesmos que atiramos na própria cabeça toda vez que pensamos no incidente, pensamos na maldade, imaginamos uma revanche, desejamos o mal àquela pessoa.

Não podemos evitar a primeira pedra, pois não conseguimos controlar o que as pessoas fazem, mas podemos sim evitar as pedradas seguintes, pois somos nós mesmos os algozes.

Perdão:

Perdoar o outro é uma forma de eliminar as pedradas seguintes. Deixar passar, é uma maneira de esvaziar o saco de pedras que temos guardado para nós mesmos.

Quando digo perdoar, não quero dizer que você tenha que conviver com a pessoa, se confraternizar, ou restabelecer o relacionamento.

Não devemos nos fazer de capacho, não devemos fazer o papel de vítima e nem dar a cara a tapa desnecessariamente.

Quando perdoamos, eliminamos a chance da pedra nos atingir novamente no mesmo lugar, pelo mesmo motivo.

Perdão, um ato de amor consigo mesmo:

O perdão, já comentei, é um ato de amor e de generosidade consigo mesmo.

Toda vez que somos injuriados e feridos, temos o desejo que a dor e o sofrimento nos atinjam apenas naquele momento, e que tudo volte ao normal em seguida, mas não é assim que a coisa acontece.

Somos atingidos, e guardamos aquela mesma pedra para continuar a bater na nossa cabeça, sempre que o esquecimento tentar afastar a lembrança de quanto dolorido foi aquela pedrada.

O primeiro ferimento é causado pelo ofensor. Os ferimentos seguintes são causados por nós mesmos.

É por isso que ouvimos seguidamente que o perdão é um ato de amor a si próprio.

Ame a si próprio – perdoe os outros.                                                                                    R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta