Menos motivos para me censurar.

Às vezes somos mais rigorosos conosco do que somos com os outros. Digo isso com relação à auto censura que fazemos, e que nos impede de realizar coisas, descobrir caminhos, criar e inovar.

É um pouco de negatividade, baixa auto-estima, e muita comparação com outras pessoas.

A Universidade de Stanford publicou este ano, os resultados de um estudo sobre o efeito das redes sociais e a infelicidade.

Por incrível que pareça, o ser humano tem uma tendência a ver felicidade nas outras pessoas com maior capacidade que vê isso dentro de si.

As redes sociais provocam uma hiper exposição das pessoas, e quanto mais contatos, mais vemos felicidade nos outros e menos em si mesmo.

As pessoas mostram sua felicidade, e seu contentamento em público, e experimentam a sua tristeza e solidão em particular, e isso é exacerbado nas redes sociais. É o resultado do estudo.

Somos todos atingidos pela auto censura, especialmente pelo lado negativo.

No fundo, no fundo, está a questão da comparação.

Não sou contra as redes sociais, mas sou profundamente contrário a atrelar a própria felicidade às condições de outras pessoas.

Temos um olhar muito enviesado com relação às outras pessoas.

Uma coisa boa é que as pessoas conseguem sobrepujar as dificuldades na vida e com isso, são capazes de demonstrar felicidade, a despeito de tudo que têm passado.

Quem olha de fora, acha que a vida do outro é perfeita, que os problemas passam longe dessa pessoa.

Esse viés é confirmado nos estudo de Stanford.

Acho que isso é um recado para nós que gostamos de exercitar esse lado do ser social.

Não devemos fazer tanta comparação.

Devemos também admitir que o julgamento que fazemos da felicidade de outras pessoas pode estar profundamente enviesado.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked