Me sinto abandonado.

Já comentei que a felicidade é contagiosa, e os estudos acadêmicos mostram que a solidão também é contagiosa, como mostram os resultados conduzidos por John Cacioppo da Universidade de Chicago.

Quando nos sentimos sós e abandonados, temos uma maior tendência de desenvolver interações negativos com pessoas não solitárias.

Nem é preciso dizer que isso afasta os nossos amigos saudáveis.

O interessante no estudo é a constatação de que as mulheres têm maior chance de receber a contaminação da solidão dos seus amigos.

Prof. Jacqueline Olds – Harvard:

A professora da Harvard Medical School, Jacqueline Olds, que escreveu o livro: The Lonely American também compartilha dos resultados mencionados do efeito contagioso da solidão.

Diz o livro da professora, que a despeito da busca por conexões digitais, o americano escolheu ficar mais recolhido e mais solitário.

Mais pessoas moram sozinhas. Parece que é um sinal da prosperidade, ficar só e isolado, e isso vem acompanhado de distúrbios e hábitos nocivos como o álcool e drogas.

Será que você se deixou abandonar?

Onde estão suas conexões?

Você cultivou suas relações?

As pessoas podem se sentir solitárias mesmo com muitos amigos e outros não se sentem assim mesmo com poucos amigos.

Esse sentimento é algo universal e relacionado com aspectos físicos e emocionais.

As pessoas têm que fazer um esforço e procurar ajuda para se sentir mais conectado, o que não significa ter centenas de seguidores ou mesmo contatos nas redes sociais.

O que está faltando na sua vida:

Procure encontrar o que está faltando em sua vida.

Tome medidas concretas para se conectar com as pessoas.

Recupere as suas conexões.

Onde estão os amigos de sempre?

Onde estão seus familiares?

O estado físico também contribui para essa sensação de abandono.

Durma bem, se alimente bem e faça exercícios diários.

Exercite com outras pessoas, faça isso num ambiente social.

Cuide de outras pessoas. Cuide dos pequenos, dos idosos e de pessoas carentes.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta