Lua de mel.

Pensamos ser um sonho encontrar uma alma tão gêmea, tantos interesses comuns e tantas concordâncias, mas essa lua de mel acaba.

Pouco a pouco as discordâncias aparecem, e a saúde do relacionamento está em saber navegar nas discordâncias.

É preciso aceitar as discordâncias.

Além do amor, uma amizade profunda:

Devemos estabelecer uma profunda amizade pela parceira.

Por vezes sentimos que é mais fácil perdoar um amigo que a nossa parceira, e isso não está certo.

Devemos tratar assim a nossa parceira.

O amor tem que perdurar, mas a amizade é um convite à gentileza e à generosidade mútua.

Dr. Fred Luskin:

O mestre do perdão, Dr. Luskin nos ensina que é preciso perdoar antes e negociar depois.

Quando entramos numa negociação sem fim, acumulamos cobranças e ressentimentos, e o perdão nunca vem.

Sentimos a dor da contrariedade e da expectativa frustrada, isso é o luto que antecede o perdão.

O luto é o sofrer adequadamente, abraçando a realidade e as coisas que estão fora do nosso controle, como ensina a oração da serenidade.

Devemos afastar a obsessão pelo que perdemos.

Estamos juntos nessa tarefa difícil do relacionamento amoroso, e é preciso que ambos reconheçam a empreitada.

O relacionamento é complexo, difícil e é preciso cuidar permanentemente.

Quando uma pessoa acha que é fácil, tem que pensar se não está deixando a parte dura e difícil para a parceira.

A parte difícil não é a tarefa caseira ou o trabalho pesado.

Difícil é transigir, ser flexível, aceitar, elogiar, apoiar, gostar, amar, se alegrar, estimular, enfim, um cem número de verbos.

Reconhecer que a empreitada é dura, e assumir a sua parte na responsabilidade já é um longo caminho percorrido.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta