Juntando coisa com coisa.

Queremos que a vida faça sentido, e isso é fundamental.

Queremos dar uma explicação para as realizações e acontecimentos em cada etapa da nossa vida.

Nem sempre isso é fácil, pois seguimos em piloto automático e somos pegos de surpresa em situações inesperadas e muitas vezes indesejáveis.

Se não prestarmos real atenção aos nossos passos e decisões, vamos nos enrolar sem explicações para os nossos próprios passos.

Precisamos estar compenetrados com a nossa vida para minimamente entendermos o que está acontecendo.

Sentido da vida:

No todo, a vida tem que fazer sentido, afinal são escolhas que fazemos.

Vejo hoje que muita coisa poderia ser diferente, mas a vida é fruto das nossas escolhas.

À medida que as etapas transcorrem, procuramos juntar coisa com coisa de modo que tenhamos um rosário de realizações, relacionamentos e experiências. Tudo isso faz o tecido da vida – tem que ter uma estampa bonita – tem que combinar com a gente.

Me vejo hoje, escolhendo alternativas, decidindo sobre caminhos e sempre me vem a pergunta se isso faz sentido para mim nesse estágio do percurso.

Quando somos jovens, inexperientes, saímos ansiosos querendo colher todos os frutos pelo caminho. Também nos estressamos toda vez que encontramos uma encruzilhada. Recorremos aos pais, amigos e familiares mais experientes e bebemos da experiência já vivida.

Maturidade:

Com o tempo, mais serenos e mais experientes, encaramos cada etapa com maturidade e calma necessária.

Isso não descarta o empenho e o entusiasmo pela vida, mas nos deixa mais calmo e seguro dos caminhos a seguir.

Aprendi no entanto, que a vida é imprevisível, e muito daquilo que imagino agora, pode não acontecer.

Outro ponto importante, e é o trabalho de Daniel Kahneman, Nobel de Economia, de que somos muito ruins em predizer aquilo que pode trazer a nossa felicidade.

Importante nisso tudo é refletir sobre a carga emocional e a mentalidade com que abraçamos cada experiência. Assim seremos capazes de valorizar a vida nos seus mínimos detalhes.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta