Gostaria de gostar.

Não faz sentido querer gostar do que não gosta, simplesmente porque é moda, ou porque os outros gostam.

Quando relaxamos com relação a essa obrigação, damos espaço para apreciar o que já gostamos.

Gretchen Rubin, nos ensina o que ela chama de um dos segredos da vida adulta.

Diz ela: “você pode escolher o que fazer, mas não pode escolher o que gosta de fazer”.

A conclusão interessante que ela tirou das suas reflexões é que ao aceitar o que gosta e o que não gosta, descartou muita coisa que ela imaginava que poderia vir a gostar, e aí bateu uma tristeza, pois desnudou uma porção de limitações próprias.

Se enumerarmos o mundo de coisas de que não gostamos, ficamos assustados.

Por outro lado, se enumerarmos o mundo de coisas de que gostamos, ficamos maravilhados.

Pra que gastar energia tentando mudar algo que é nosso próprio modo de ser, enquanto temos um montão de coisas na vida para apreciar.

É o primeiro mandamento de Gretchen Rubin: seja você mesma.

Não force a barra desnecessariamente.

Se não gosta de música clássica, mas gosta de jazz – aprecie, e não force a sua natureza.

Se gosta de pizza e feijoada e não gosta de peixe cru – vá na sua preferência.

A vida é uma abundância, e o mundo moderno é repleto de opções, até demais.

Escreveu Ilana Donna Arazie para o Huffington Post, que é preciso coragem, honestidade e desejo para ser você mesma.

Ser autêntica e viver uma vida autêntica, é parar de colocar as necessidades dos outros na frente das suas, e parar de comprometer os seus sonhos para satisfazer os outros.

Ser você mesma não significa abandonar o seu crescimento pessoal e o projeto de ser uma pessoa melhor.

Precisamos crescer e desenvolver.

Seria um absurdo apontar para uma garota de 13 anos e dizer, seja você mesma e achar que ela vai ficar sempre assim, adolescente.

A vida é um aprimoramento contínuo – queremos ser uma pessoa melhor a cada dia.

A aceitação é fundamental também para essa situação.

Ao aceitar como sou, o que gosto e o que não gosto, estou mais próximo de aceitar as outras pessoas e suas preferências.

Beco

1 Comentário

Eli Lima

about 6 anos ago

Mensagem oportuna. Há um Grupo que frequento em que sou absolutamente autêntica. Isso incomoda algumas pessoas que não se inserem à Programação desse Grupo. Estou aprendendo a manter meu foco na Programação e aceitar que não preciso ser querida por todos e que eu também não gosto de todo mundo. Há diferenças que são de caráter e não preciso conviver com quem não me faz bem. As outras diferenças, como as preferências, são ótimas. Acrescentam. Obrigada pela contribuição, meu amigo. Fique bem. Eli.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta