Frustração com metas fantásticas.

Não fique frustrado por não concluir aquelas metas extraordinárias.

Estabeleça metas menores e intermediárias de modo que você termine o seu dia com uma noção de realização, de conclusão mesmo que parcial.

Quando focalizamos apenas o final da construção, ficamos frustrados como se o final nunca chegasse.

Temos que planejar com objetivos intermediários para poder comemorar, ainda que a obra não esteja finalizada.

Comemoração:

É aquele conceito de fazer um churrasco quando batemos uma laje, durante a construção de uma casa. Quando a cobertura fica pronta, é mais um bom motivo para comemorar.

Assim deve ser com todos os projetos da vida.

Pensamos uma vida profissional bem sucedida, cargos gerenciais, salários polpudos, status e prestígio, afinal, quase todas as carreiras se parecem.

A conclusão dos nossos projetos é carregada de muita ansiedade. Queremos tudo e queremos logo.

Se começamos, queremos concluir logo. Quando adoecemos, nos medicamos e queremos nos levantar da cama já.

A insatisfação de ver os projetos no meio do caminho deve ser equilibrada com comemorações no meio do caminho.

Realizações:

Dê uma parada e olhe o que já foi feito, quanto você já caminhou.

A vida é construída passo a passo, um dia de cada vez.

Não acordamos um dia, e ao abrir os olhos nos deparamos com o projeto concluído.

Temos que trabalhar muito, colocar um tijolo por vez, concluir etapa por etapa e lá na frente, com calma, chegamos ao final.

Paciência, perseverança e fé na nossa capacidade de chegar ao final com o mesmo entusiasmo.

Se lutamos, lutamos e ainda assim nos frustramos com os resultados, temos que olhar imediatamente para as metas e objetivos que estabelecemos para as nossas empreitadas.

Quem sabe não está faltando uma definição de metas intermediárias.

Quem sabe não devemos comemorar os resultados parciais.                                            R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta