Fale de coisas boas.

Se encontre com amigos e familiares e fale de coisas boas.

Conte as coisas boas que aconteceram contigo, e ouça com alegria tudo de bom que tem acontecido com os outros.

Ao contar, sentimos novamente o sabor do evento ocorrido.

Ao ouvir dos outros, o entusiasmo e a satisfação nos contaminam, e penetramos na cena do evento, e nos sentimos felizes também.

Você vai reviver na sua memória as experiências boas e vai se sentir mais feliz.

Não fale mal:

Evite os encontros familiares onde se lavam roupas sujas de muito tempo atrás.

Evite falar de corda em casa de enforcado, não alimente intrigas e não faça fofocas.

Não fale mal de quem não veio ao encontro familiar.

Aproveite ao máximo as poucas e raras horas em que todos se encontram. Traga coisas boas, novidades alvissareiras.

Seja você mesmo uma fonte de alegria, irradie esperança, confiança e amizade. Procure resolver e amenizar conflitos familiares sem, no entanto, tentar resolver pendengas antigas. Simplesmente deixe passar, não levante uma bola ruim.

O momento é de alegria, festejar e conviver, e não há espaço para desavenças e cobrança de dívidas e compromissos.

Temos que pensar em alimentar a alegria todos os dias do ano, mas hoje especialmente, acho que temos essa obrigação.

Mesmo aquelas que não comemoram esta data, devem se deixar levar pela alegria dos outros. Nem tanto pelos presentes e festejos, mas pela oportunidade de pensar o bem, sentir o bem, e comemorar.

Quero deixar para todos os votos de um Feliz Natal, no convívio dos entes queridos.

Aproveite cada momento, e deixe de lado aquela sensação de repeteco, de rotinas antigas. Descubra o novo no velho, atente para o inesperado no rotineiro, preste atenção nos detalhes e saboreie.

Esqueça a obrigação e não se deixe pressionar pela tradição. Simplesmente aprecie a beleza do momento por você mesmo.

Faça de cada passagem uma novidade, e guarde dentro do seu coração.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta