Eu preciso te contar.

Já comentei aqui sobre contar os seus segredos. Abrir o coração.

Isso faz um bem, e devemos considerar contar a alguém o mal que nos aflige, abrir o coração para uma pessoa em quem confia.

Certamente temos alguns segredos que não queremos contar a ninguém, mas manter muitos segredos faz mal ao próprio organismo. Não devemos ser um livro fechado, cheio de segredos irreveláveis.

Temos o hábito de guardar segredos, especialmente relacionados com coisas tristes, eventos que nos envergonham, emoções que doem quando trazidas à baila.

Dr. James Penneebaker:

Como nos ensina o Dr. James Pennebaker, professor da Universidade do Texas, a expressão das nossas emoções pode nos curar, trazer o bem estar físico e emocional.

Ao guardar muitos segredos, esse ato de inibição dos pensamentos faz mal ao corpo, e já sabemos disso, pois ao falar com alguém sobre um assunto que nos angustia, essa aflição parece se atenuar.

Quando procuramos um profissional em busca de ajuda, muito dessa técnica que Pennebaker explica, nos é oferecida. Busque ajuda e aconselhamento quando for o caso.

Considere contar alguns segredos. Escolha alguém bem escolhido e simplesmente conte.

Algumas recomendações que valem ser ditas. Não fale mal dos outros, fofocas e maledicências. Não conte nada que coloque alguém em risco, que crie mal estar para si e para os outros. Pense bem se o segredo é seu ou de outra pessoa. Não conte coisas dos outros. Quando os segredos dos outros nos afligem, temos que exercitar o distanciamento, deixar que cada um cuide da própria vida e dos próprios segredos. Não é da sua conta se algum familiar anda traindo a esposa, mesmo que tenham te compartilhado tal comportamento em segredo.

Mas quando os segredos dizem respeito a nós mesmos, podemos ter isso em mente reduzir o esforço emocional para manter tanta coisa guardada a sete chaves.

Esconder tanto de nós mesmos acaba por nos colocar em isolamento, e não vai nos fazer bem.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta