Entendendo as pessoas.

Julgando menos, entendemos mais.

Não só entendemos mais as outras pessoas, mas aprendemos a gostar mais de si próprio.

Quando julgamos as características das pessoas, é como se cortássemos os galhos das árvores, por julgar cada um deles, inconveniente. Ao fazer isso desmesuradamente, acabamos por ficar com um tronco desnudo, sem galho nenhum.

E isso tem um efeito cruel em nós mesmos.

Aquilo que não gostamos nos outros, são coisas que não gostamos em nós mesmos.

Quando cortamos tudo nos outros, no final, ficamos sem nada em nós mesmos.

Não julgue tanto os outros, como forma de amar a si próprio.

Não é a toa que as pessoas em paz consigo mesmo, são as pessoas que estão em paz com os outros, e vice-versa.

O julgamento é algo que fazemos sem nos dar conta. Basta estar insatisfeito com alguma coisa consigo mesmo para sair disparando  críticas por todos os lados.

Quatro razões pelas quais julgamos os outros, e com isso criamos uma barreira para compreendê-las.

1 – Estamos inseguros – estamos infelizes e inseguros com algo em nossa vida. Achamos que podemos ficar bem fazendo os outros se sentirem mal.

2 – Estamos amedrontados – nos sentimos intimados pelos outros por um motivo ou outro, e achamos que o ataque é a melhor defesa. No fundo não estamos sendo atacados. Não é o que olhamos que importa, mas o que vemos.

3 – Nos sentimos sozinhos – não temos vínculos saudáveis com outras pessoas, e esse relacionamento superficial e insignificante não cria ligação afetiva nenhuma, o que facilitar sair atirando pra todo quanto é canto.

4 – Queremos mudar – e por querer uma vida diferente, achamos que devemos mudar os outros, sem perceber, que na verdade devemos mudar a si próprio.

Os resultados são desastrosos, como sabemos, pois o resultado desse comportamento nocivo é que:

– ferimos as outras pessoas.

– nos sentimos pior do que antes.

– perpetuamos os estereótipos cheios de preconceito e maldade.

– colocamos mais maldade no mundo que nos cerca.

– encorajamos os outros a fazerem o mesmo conosco.

Focalize mais em si próprio e lembre-se o quanto é ruim ser julgado com maldade.

Experimente o seu amor próprio crescer, na medida que abandona esse mau hábito.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta