Distraído com tantas besteiras.

Impressionante como nos distraímos com tantas besteiras. Gostamos de correr e aproveitar a energia toda para tocar os nossos projetos, mas depois de tudo, queremos paz, serenidade, queremos estar em contato com o nosso eu interno, e isso é especialmente difícil.

A ciência explica que essa capacidade não está no nosso DNA. Pois aquele que se descuidava da fera porque estava meditando, não sobreviveu para passar adiante os seus genes. Portanto, os nossos genes estão carregados da habilidade de estar alerta a qualquer movimento no arbusto, qualquer cara feia do vizinho e movimento brusco no trânsito.

Isso explica porque nos mantemos tanto nesse modo de alta distração. Muitas vezes estimulados por pequenas besteiras, e preocupados e estressados por coisas que não têm qualquer importância.

Meditação:

Mas a meditação é um bálsamo para qualquer pessoa, especialmente nessa correria do cotidiano.

É difícil eu sei, mas vale à pena experimentar, tentar e tentar mais um pouco no dia seguinte.

Com o tempo isso vai estar no seu sangue, vai se tornar um hábito quase que automático. De repente você vai ver que adquiriu a capacidade de consciência plena, profundamente concentrado em uma única atividade, sem se render às pequenas distrações.

Quando sentir a dificuldade em se concentrar, seja na respiração, nos próprios passos, numa atividade caseira, lembre-se que você está lutando contra um gene poderoso, herdado dos homens das cavernas, um gene ancestral.

Mas qualquer um é capaz de fazer isso, e o caminho mais fácil é prender a sua atenção na sua própria respiração, sentado em uma posição confortável.

Procure ficar em um ambiente livre de poluição sonora televisão, música e pessoas conversando. Devagarinho deixe a sua mente se esvaziar, com o foco apenas na respiração.

Os benefícios são inúmeros, e você vai sentir a serenidade tomar conta de você.

Lute contra a distração dos seus sentidos. Busque a paz dentro de si.                                                                 R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta