Deus não é terrorista.

Fazemos coisas muito erradas e nos revoltamos com os resultados indesejáveis.

Nada disso é obra de Deus. Afinal, Deus não é terrorista, aprontando a torto e a direito contra algumas pessoas.

Deus é misericordioso, capaz de perdoar, mas certamente acha conveniente que soframos os efeitos dos próprios atos.

Fazemos coisas erradas, delinquimos e atentamos contra a própria saúde, e o resultado não pode ser diferente de um verdadeiro desastre.

Culpar os outros:

Não devemos culpar os outros. Temos que ser capazes de olhar para si mesmo, indagando por responsabilidade e atitude.

Se formos capazes de encarar a si mesmo nos erros, estamos a meio caminho de corrigir e seguir adiante – lição aprendida.

Em meio às tempestades, temos um lampejo de culpar a Deus, como se o castigo estivesse vindo a cavalo, comandado lá de cima.

É uma atitude pouco responsável. Colhemos o que plantamos, para o bem e para mal. Temos que encarar com honestidade aquilo que fazemos, muitas vezes contra nós mesmos.

Não temos que imaginar uma entidade cruel, um terrorista cósmico pronto para nos punir.

A punição que vamos receber, é o resultado dos nossos próprios atos.

Saúde é importante:

Quem não cuida da própria saúde, pode esperar o aparecimento de doenças ao longo da idade, e isso não é resultado de ato de terrorismo.

Como isso, inúmeras situações na nossa vida podem ser interpretadas dessa mesma maneira.

Culpa e castigo são ingredientes perversos na química emocional.

Nos culpamos, nos arrependemos e esperamos o castigo, como se isso tudo fosse alheio ao nosso julgamento e à nossa vontade.

Temos o livre arbítrio para assumir o controle de nossas vidas.

Não podemos fugir à responsabilidade de dar sentido às nossas vidas.

Se acreditamos numa Divindade, é bom concebê-la como uma entidade generosa, compassiva e misericordiosa.

Erramos, corrigimos e seguimos o lado do bem, e assim escolhemos deliberadamente o caminho do amor, da paz e da felicidade.                                                                                                    R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta