Desenvolva o humor maduro.

Aprenda a olhar com humor até para as coisas doloridas do passado. Essa capacidade de sublimar a dor passada é um sinal de amadurecimento das pessoas.

Faça o exercício de contar alguma coisa que foi dolorida quando aconteceu lá no passado, mas com a superação, hoje, você consegue contar até quase como uma piada.

O humor ajuda a lidar com as coisas tristes.

Se não conseguimos rir das nossas desgraças do passado, é que ainda guardamos amargura com relação ao que passou.

Trabalhe esses pontos até tê-los digerido adequadamente.

A aceitação e a compaixão para consigo mesmo, são os ingredientes fundamentais para desenvolver o olhar sereno para a vida como um todo.

Já comentei bastante sobre o pessimismo e a maneira como as pessoas permitem que maus momentos contaminem tudo na vida numa postagem anterior: seja otimista.

Uma avaliação mais realista do verdadeiro impacto do incidente, evitando exagerar e dar uma de vítima, ajuda sobremaneira a sobrepujar com desenvoltura as fases difíceis da vida.

Diz Lou Macabasco no seu blog life to fullest, ao comentar sobre seis passos para a maturidade, que quem não tem a capacidade de rir de si próprio, deixa essa tarefa para os outros.

http://lifetofullest.com/steps-to-maturity/

Devemos aceitar o processo de cura que vem com o tempo. Você não vai acordar um dia e de repente tudo passou. Deixe o ferimento se curar. Deixar a ferida aberta por meio se fazendo de vítima indefinidamente é um mau negócio.

Por outro lado, buscar experiências alegres logo depois de maus momentos tampouco soa adequado. Ninguém sai de um funeral de um ente querido para uma noitada exuberante.

É preciso dar tempo ao tempo e desenvolver a capacidade de olhar o incidente com um distanciamento suficiente para enxergar algo engraçado.

Experimente e vai ver que funciona.

Beco

1 Comentário

Eli Lima

about 7 anos ago

Há coisas, do passado, que não dá para ver com humor. Elas podem ser transformadas, convertidas... Há traumas agudos que precisam ser tratados, mas o humor está fora de algumas categorias. O importante á a atitude de encarar o que houve e ir superando, cada um com seu jeito de caminhar. Cada um com seu ritmo, afinal não há ponto de partida nem de chegada. Obrigada pela contribuição. Fique bem.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta