Desarme o seu espírito.

Desarme o seu espírito para sentir a harmonia das coisas, como se tudo estivesse no lugar que deveria estar.

Interrompemos a sede enorme de se afirmar, convencer e persuadir,

Tudo no lugar, sem a urgência de se defender, se comparar e se sobressair.

O espírito desarmado é aquele que usufrui da abundância da vida, aprende todas as lições e aproveita cada circunstância, boa ou má.

Uma queda ou um fracasso pode ser fatal para o espírito orgulhoso, mas aquele que está de coração aberto, vai enxergar a lição. Vai sair fortalecido e vai receber a ajuda na hora certa.

A pessoa que anda sempre com o espírito armado nunca acredita que precisa de ajuda, mesmo quando a situação de penúria é evidente. E quando uma corda é lançada para ele se safar do precipício, ele prefere seguir escorregando e se pendurando nas raízes soltas.

É um sinal de prepotência – aquele que prefere morrer a reconhecer que precisa de ajuda.

É também uma prova de prepotência – aquele que não acredita que o outro tenha a capacidade de ajudá-lo.

A serenidade vai ajudar:

A serenidade vai te ajudar enormemente a você baixar a guarda e recolher as armas. Afinal, não estamos em guerra, e o alimento não é obtido às custas do sofrimento de ninguém.

Há momentos que temos que nos proteger, perceber o perigo que pode surgir dos arbustos. Mas é bom saber que tais momentos são raros na nossa vida.

Quem vive em clima de guerra dia após o outro, tem que repensar os seus propósitos, as suas escolhas e a própria vida.

O cotidiano é repleto de oportunidades para nos aborrecer. Muitas situações nos tiram do sério, podemos perder a cabeça e a serenidade. Assim ficamos procurando chifre em cabeça de burro.

Podemos viver me paz, sem ter que matar ou morrer. As escolhas de enganar ou ser enganado, tirar o meu antes que o outro tire, pertencem a um mundo enganoso, irreal, o mundo do estresse crônico.

Escolher viver, passa por buscar leveza no seu caminhar, de espírito desarmado, pronto para amar, ajudar e ser ajudado.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta