Deixe a poeira assentar.

Deixe a poeira assentar e a fumaça dissipar.

No meio da nuvem de poeira não é possível se enxergar os caminhos, e nos sentimos imobilizados nas decisões.

Muito daquilo que vejo turvando a minha visão é o calor emocional do que está acontecendo.

Nessa situação, é bom deixar a coisa se acalmar não só pra gente, mas também para as outras pessoas.

Como já comentei, a água, no fundo do lago é sempre calma. Devemos portanto, num momento de agonia e dificuldade, buscar a paz interior e a serenidade, para assim enxergar os caminhos que temos que seguir.

Não sabemos se as coisas são boas ou más, pois ao longo do tempo, o nosso julgamento pode mudar, mas sabemos que tudo passa, e isso também vai passar.

O mal estar, o desespero, o coração partido, tudo passa.

Um pequeno repouso forçado, a quietude, a meditação e a paz podem trazer a luz de que você está precisando.

Ao observarmos o problema com um adequado afastamento emocional, ele assume para nós, a sua real dimensão.

Quando nos defrontamos com um problema, ficamos ávidos por resolvê-lo, e isso nem sempre é a melhor abordagem. Para todo problema há uma solução rápida, fácil e equivocada. É bom deixar a fervura passar para pensar na situação com mais calma.

Quando agimos na emoção, deixando a raiva assumir nossas reações, fazemos e dizemos coisas que nos arrependemos mais adiante.

Quando a poeira assentar, muita coisa que te atormenta vai parecer menos importante – é a serenidade pedindo passagem.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta