Da flor vem o fruto.

Flor do pequi

Depois de uma ausência de uma semana, é bom voltar para casa e ver a natureza trabalhando.

No quintal de casa, no meu lugar preferido de leitura, debaixo do pequizeiro, as flores começam a cair, o que é o prenúncio dos frutos que vem com a nova estação.

É gratificante ver a beleza das flores, e saber que a beleza não para aí, pois vem mais coisa boa pela frente.

Faço um paralelo com a festa do casamento, o luxo e a exuberância, que é também o início de uma nova fase na vida das pessoas, que frutificam na grande parte dos casos na criação dos filhos.

A vida, e assim nos mostra a natureza, é feita de várias etapas, cada uma mais bela que a outra.

Mesmo no avanço da idade, a árvore segue dando frutos, que não são os filhos e muitas vezes nem são os netos, mas a sombra confortável da maturidade, da experiência e da serenidade.

Sempre ouvi dizer que a raça humana é mestre em se adaptar às condições, razão pela qual tem sobrevivido a tantas transformações do meio ambiente.

Porém, quando examino as árvores, me admiro a capacidade de adaptação, sem sequer sair do lugar.

Ora chove, ora falta chuva, e a vida que segue para as árvores.

Me parece que o segredo, e isso vale para as pessoas, é tirar o melhor proveito daquilo que nos é fornecido ali, naquele momento.

A vida é abundante, e é preciso estar atentos para perceber as graças que recebemos todos os dias.

Os frutos podem não vir agora, mas virão na próxima estação.

Beco

1 Comentário

Diógenes Pereira de Araújo

about 4 anos ago

SEMENTES DE BELEZA Na imensidão do espaço sideral a terra, a nossa terra tão querida, é apenas isto: um ponto. Ao léu?! Perdida?! E quanto a mim? Que sou? Sou animal mas racional. Percebo ter na vida também a dimensão espiritual que me concede ser transcendental E quanto à terra? Um ponto?!! Está esquecida?! No espaço sideral, na imensidão, a terra é qual semente, um ponto humilde. Porém tem importância, esta reside em ter a nós, humanos, na função de ir espalhar por toda a natureza sementes fecundantes de beleza Diógenes Pereira de Araújo

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta