Criando uma história de descontentamento.

Não fique constantemente revisando e reconstruindo uma determinada história de descontentamento.

Aceite o que passou e siga a vida adiante.

Quanto mais repassamos na nossa cabeça uma história negativa, aumentam o ressentimento, a raiva, o rancor, o arrependimento e a culpa.

Ficar reconstruindo a história é portanto amplificar os efeitos negativos desta.

O que passou, passou. Águas passadas não movem moinhos.

O momento presente:

Viver o presente, apreciar a vida e construir um futuro melhor é o que devemos fazer.

Um dos fatores que nos empurram para essa revisão constante da desgraça, é o julgamento.

O julgamento que fazemos das pessoas não tem fim. Para cada cena do evento e para cada personagem, fazemos um cem número de variações de julgamento.

Algumas pessoas são inocentadas em princípio para logo depois ser incriminada.

Outras pessoas são culpadas desde o primeiro dia, e a pena desta cresce a cada ciclo de julgamento.

E assim, vamos aumentando a carga de entulho que carregamos dia após dia.

É simplesmente inadmissível que cheguemos a esse ponto.

Tem remédio:

Mas tudo tem remédio, e nunca é tarde para deixar cair essa carga dos nossos ombros e seguir a jornada mais leve, mais desenvolto.

O primeiro passo é parar de rodar o ciclo da história. Quando o evento voltar à mente, procure uma distração, pense em outra coisa, arrume alguma coisa para fazer, se concentre no que está fazendo, faça meditação.

O segundo passo é desligar o botão do julgamento. Gradativamente vá se recusando a julgar as pessoas. Pare de julgar as pessoas mais queridas e finalmente pare de julgar todas as pessoas. Você não é o juiz do mundo.

Quando tudo isso passar, você vai gostar mais de si próprio.

Você vai se sentir sereno, leve e feliz.

Beco

1 Comentário

Lucia Hartmann Fraga Moreira dos Santos

about 6 anos ago

Otimo lembrarmos q temos escolhas...E romper o ciclo do descontentamento e uma delas!Boa semana!!!

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta