Consuma menos e seja mais feliz.

A professora Juliet Schorr, que escreveu o livro The Overspent American, diz que vivemos a sociedade do novo consumerismo, onde vivemos a ansiedade constante por ainda não ter o que o outro tem.

As suas idéias e de outros autores correlatos na entrevista para a Yes Magazine.

 As pessoas trabalham mais, ganham mais, pois não é mais a renda do cabeça de família, mas o casal trabalhando igual e ganhando igual.

No entanto, o tempo para usufruir dessa renda ampliada foi reduzido drasticamente.

As compras eletrônicas e as facilidades modernas dão forma ao que explica a professora Juliet Schorr,  o  novo consumerismo.

Porque queremos o que não precisamos?

Porque aquilo que antes era considerado luxo agora passa a ser necessidade.

Socializamos menos, trabalhamos mais, gastamos mais e nos endividamos.

O hábito de consumo exagerado não nos deixa mais feliz.

Gastar toda a nossa energia e a nossa carga emocional em cima de uma esteira hedônica não nos torna mais preparado para a felicidade.

Vivemos numa sociedade consumista, estimulados constantemente a desejar coisas e comprar coisas.

Infelizmente, boa parte dos nossos empregos depende dessa roda que nos põe feito ratos de laboratório correndo muito para ficar exatamente no mesmo lugar.

Não conseguimos nos livrar dessa super exposição da mídia de consumo, mas podemos decidir o efeito que tal tsunami consumista faz na gente.

A baixa auto-estima e o materialismo andam de mãos dadas.

Quanto menor o valor que enxergamos em si próprio, mais coisas materiais buscamos, como forma de compensação.

Quem busca e encontra a felicidade dentro de si, se livra do entulho externo que insistem em nos vender.

Gaste mais com experiências e menos com a acumulação de coisas, dizem os especialistas.

Férias e viagens, traz lembranças permanentes, e mesmo com os atropelos e imprevistos, no final, a nossa memória seleciona e retém apenas os bons momentos.

Interessante é que o mundo ficou mais rico, e as pessoas vivem melhor, mas o nível de felicidade não aumentou nos países onde esse fenômeno foi mais acentuado.

Comenta o Dr. David Myers, especialista no assunto, que o mundo moderno foi construído com base no materialismo, e como o princípio que governa está no que temos e não no que somos, ficamos presos ao individualismo.

Podemos descer dessa esteira hedônica.

Podemos encontrar a felicidade dentro de nós.

Podemos encontrar a felicidade nos afastando da super exposição ao mercado de consumo.

Podemos nos voltar mais para os valores do altruísmo, gratidão e generosidade.

Podemos pensar mais na saúde.
Podemos valorizar os relacionamentos.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta