Coisas boas que insistem em acontecer.

Por mais pessimista que eu seja, e por pior que seja a situação, as coisas boas insistem em povoar o meu dia.

O sol nasceu maravilhosamente como de costume. O cachorro abanou o rabo ao meu reconhecer, mesmo com todo o meu estresse.

A flor desabrochou e nem deu bola para o futuro negro que tive um lampejo de imaginar.

Sem contar que a comida de casa continua saborosa, e os meus amigos seguem alegres e fraternos.

Se coisas boas acontecem contigo, é sinal de que você é uma pessoa abençoada e boa.

Quando achamos o contrário, que as coisas boas só acontecem com outras pessoas, temos que voltar o nosso foco para si mesmo, se reconhecer como parte desse milagre da vida, da abundância e alegria.

Negatividade:

A sensação negativa, de carência e inadequação está presente quando ficamos excessivamente preocupados com o mundo material. Estamos olhando muito para as posses do vizinho, a casa, o carro, a ostentação.

Ficamos muito sugestionados pela sorte e o azar. Somos tomados pela ilusão do que é bom e do que é ruim.

A miopia para o que é carente ou suficiente tira o sabor da vida, a satisfação de saber que aquilo que temos na vida é suficiente.

Quando nos sentimos satisficientes (esta palavra não existe), satisfeitos com a vida, e agradecidos com tudo que ela nos tem oferecido, abrimos espaço para receber mais, para mais coisas boas, mais presentes.

Funciona como abrir a porta do armário para receber mais roupas. Se não abrir a porta, não vai entrar nada lá dentro.

Abrimos as mãos em agradecimento e recebemos mais.

Abrimos o coração em generosidade, e nos enchemos de graça.

Coisas boas acontecem com pessoas boas como escreveu Stephen Post no seu livro “Why good things happen to good people”, justamente abordando esse aspecto da vida boa, generosa e abençoada.

Pessoas boas são agraciadas, não só porque dar um pouco de si nos traz uma alegria imediata, mas o bem caminha em via dupla, tanto vai quanto vem.

Perceba o bem chegando até você.                                                                                       R.S. Beco

 

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta