Riqueza Posts

Flores da minha vizinhança

Flores da minha vizinhança

Gosto da natureza, adoro flores e passo muito tempo fotografando o que me chama a atenção. Recentemente, tenho me entretido com as flores da minha vizinhança. Hoje sei que milhares de pessoas fazem exatamente isso em algum canto do mundo.

Às vezes saio para caminhar com minha cadela e depois retorno para fotografar algo interessante.

Outro dia li algo interessante

Sou imensamente grato pela vida e pelas pessoas que carinhosamente me acompanham nesta vida

A vida tem me proporcionado coisas incríveis.

Ontem, o dia em que completei mais um ano, fui surpreendido por centenas e centenas de felicitações que não tive a capacidade de responder uma a uma, o que gostaria de ter feito.

Sou imensamente grato por tudo que a vida tem me proporcionado, e Deus tem sido generoso em colocar no meu caminho pessoas maravilhosas que me acompanham, me ajudam, me incentivam e pavimentam o meu caminho com muito amor e amizade.

Hoje, mais maduro e sereno, avalio as mudanças que aconteceram na minha vida com muita gratidão por tudo e por todos. Os desvios de rumo que me foram dados percorrer, às vezes com sofrimento e penosa labuta, se revelaram a minha proteção, o meu crescimento e a explicação para a pessoa que vim a me tornar.

Deus tem sido misericordioso em me abrigar em todos os momentos de penúria, e preciso e certeiro em retirar, cirurgicamente, as pedras do meu caminho.

Tenho sido diariamente premiado com a alegria de viver, a possibilidade de ajudar e a graça de viver na companhia de todos vocês.

Rubens Sakay (Beco)

Aproveite aquilo que tem enquanto busca aquilo que não tem

Aproveite aquilo que tem enquanto busca aquilo que não tem

Podemos passar pela vida correndo sem sequer aproveitar o que a vida nos oferece todo momento.
Na semana que vem fico um ano mais velho e posso deixar de me lembrar das duas decepções que devemos evitar incorrer – descobrir que a velhice chegou muito cedo e a sabedoria chegou muito tarde.

Segredo para transformar o pensamento negativo em energia positiva

Segredo para transformar o pensamento negativo em energia positiva

No que você está pensando agora? Quais são as suas preocupações?

Adote um procedimento de, sistematicamente, numa determinada hora, fazer esta mesma pergunta.

No que você está pensando?

Caso esteja pensando em alguma coisa negativa, mude imediatamente para uma coisa boa.

Se tiver pensando nos defeitos de alguém, passe a pensar nas suas qualidades.

Pense nas vantagens:

Se estiver pensando nas desvantagens de alguma coisa, passe a pensar nas vantagens.

Os seus pensamentos representam o manto que te cobre e te agasalha permanentemente.

Você gostaria de se cobrir com um manto cheio de espinhos ou um manto de lã aconchegante?

Tenha muitos motivos para saborear a vida.

Saborear a vida, sentindo prazer a cada bocada, deve ser uma determinação.

Inventamos limitações, desculpas e assimilamos hábitos tóxicos que nos impedem de saborear a vida plenamente.

Me lembro quando jovem, fumava cigarros e não sentia o sabor da comida. Felizmente abandonei esse vício danoso há mais de 30 anos. Mas nessa época, nada que comia tinha realmente sabor, pois o palato estava sempre anestesiado com a nicotina e outros componentes nocivos que vinham com o cigarro.

O descuido de ter nascido pobre.

Que desgraça essa de ter nascido pobre.

Que diferença faria se tivesse herdado bens valiosos e uma poupança polpuda.

Mas será que isso realmente faria diferença para a minha felicidade?

Durante muito tempo na minha vida, e acho até que ainda faço isso hoje, fico procurado um culpado para a minha pobreza.

Ricos e pobres.

Recentemente assisti na televisão uma reportagem sobre o Butão, país pobre do ponto de vista econômico, mas afortunado, pois se encontra nos primeiros lugares do ranking de países felizes.

Essa discussão é enorme hoje em dia, especialmente quando os americanos constataram que toda a prosperidade que conseguiram ao longo das décadas, não tornou o país um lugar de gente mais feliz.

Afinal, país rico é país feliz?

Segundo os estudos publicados na Economist, em geral os países mais ricos se colocam melhor no ranking de sociedades felizes, mas vários países fogem a essa regra. 

A Bulgária por exemplo, com a renda per capita elevada, fica lá embaixo no ranking, e Hong Kong, com a renda per capita igual à Dinamarca, perde de longe desta que é a número um do ranking.

O nível de renda permite à população o nível satisfatório de conforto, o que sem dúvida influi no sentimento de bem estar e de felicidade.

É muito difícil se sentir feliz, na extrema pobreza e conflitos armados, sem os elementos da democracia e dos direitos humanos.

No caso do Butão, fruto de iniciativa do seu governante em 1972, os resultados mostram hoje uma população feliz, com a ênfase dada à saúde, ao convívio familiar e à conservação do meio ambiente.

O país disposto a medir o seu desenvolvimento não no Produto Nacional Bruto, mas na Felicidade Nacional Bruta, conforme divulga o New York Times, tem sido fruto de estudos de vários acadêmicos. 

O resultado é uma longevidade maior, um país com florestas preservadas e um desenvolvimento equilibrado com o bem estar, o meio ambiente e as crenças religiosas.

No caso de Butão, a influencia do Budismo é forte, e aparece claramente nas palavras do ex-primeiro ministro: “temos que pensar no bem estar das pessoas em termos mais amplos…o bem estar material é apenas um dos componentes, e isso não garante que você está em paz com o meio ambiente e em harmonia com os outros.”

E o tema felicidade é destaque nos discursos dos dirigentes, por exemplo, a posse do rei em 2008. Ao finalizar o discurso, diz ele: “que o sol da paz e da felicidade brilhe sobre o nosso povo”.

Tem sido também uma tendência nos países desenvolvidos de se medir a riqueza por indicadores mais complexos, que medem o desenvolvimento sustentável, do ponto de vista econômico, social e ambiental.

O próprio indicador de desenvolvimento das Nações Unidas, o IDH é um desses medidores compostos.

O índice utilizado pelo Butão pode ser explorado no site do Centro para Estudos do Butão.

Beco