Perfeição Posts

O perdão me libertou.

Me libertei das amarras que me impediam de crescer, e o perdão foi a chave dessa libertação.

Por longo período me culpei e culpei os outros por tudo aquilo que me foi privado.

A carreira, a profissão, o sucesso financeiro e tantas outras expectativas não totalmente sucedidas, me empurravam para algum tipo de culpa, e o meu divertimento foi culpar a todos por cada uma das divergências da vida.

A pratica do perdão foi uma liberdade que me proporcionou um bem estar enorme.

Não sou perfeito, mas estou progredindo.

Não há quem não fique desanimado com a vida de vez em quando.

Tanto esforço para avançar tão pouco.

Queremos na verdade uma versão 2.0 da vida, mais velocidade nas realizações, conhecer mais pessoas, concretizar mais sonhos, mas as coisas acontecem como um computador que roda no modo de segurança – lento demais.

Mas de repente paro para analisar o caminho que já percorri, o quanto já progredi, o quanto já realizei, e não há como evitar a sensação de plenitude e gratidão.

Perfeição, um objetivo inatingível.

Temos que nos afastar da obstinação pela perfeição.

Afastar da luta para viver, aparentar e fazer tudo de maneira perfeita.

Podemos viver muito bem e ser feliz, mesmo com todas as imperfeições que acreditamos possuir.

Às vezes parece que perdemos a loteria genética, e nascemos para perder muitas paradas.

Não é verdade.

Hoje é um dia razoavelmente perfeito.

Aproveito a frase de Regina Brett para chamar a sua atenção para aproveitar o dia de hoje, assumindo que ele é um dia especial.

Tire do guarda roupas aquela roupa especial e saia para passear naquele lugar especial.

Procure ter momentos especiais, e não precisa ser um luxo, e nenhuma experiência cara.

O especial não custa caro, nem dá tanto trabalho, é necessário simplesmente um espírito aberto para o usufruto.

Quem disse que seria fácil?

Ninguém nos disse que seria fácil.

A vida, já no começo foi um parto. Sei que foi difícil para minha mãe, mas vir ao mundo é um ato de sofrimento também para quem nasce.

Lutamos para ter, para aprender, para escolher e para alcançar o nosso bem-estar.

Mas no final, a vida é boa, e ela já é boa com tudo que temos agora.

Adversidades fazem parte importante da nossa vida, pois é com elas que aprendemos e nos fortalecemos.

Punir a mim mesmo.

Tenho que pegar leve comigo mesmo.

Muita crítica denota uma mania de perfeição que não leva a nada, aliás, é uma fonte permanente de estresse.

Quando sentir que estou me punindo mentalmente, com as cobranças excessivas batendo como sino na minha cabeça, eu devo acender o sinal amarelo, que sabe o vermelho.

Essa penitência tem alguma razão concreta? Estou sendo cobrado no trabalho? O relacionamento familiar está exigindo muito de mim? Há alguém em particular me impondo tal cobrança?

Se é que gosto de mim, tenho que fazer alguma coisa. Eu tenho que procurar sentido nessa autopunição.

Quero parar de me censurar.

Porque será que me critico tanto?

Quero abrandar a minha autocrítica e me liberar mais para as coisas que penso, desejo e quero fazer.

Sei que há oportunidades por trás dos problemas, mas precisa calar um pouco essa voz interna crítica e intensa.

Quando deixamos a autocrítica dominar, as boas ideias e soluções são eliminadas no nascedouro. Nem bem começamos a atinar sobre elas e elas desaparecem.