Pedestal Posts

Não insista no que está errado.

Porque insistimos em coisa errada que não vai dar em nada?

É realmente difícil desistir de um caminho mesmo quando já sabemos que o destino é indesejável.

Temos que parar com essa mania de dar murro em ponta de faca.

Devemos aceitar a realidade, admitir a conclusão razoável, abandonar o caminho, a prática, o projeto, e seguir em frente.

Me conte a desgraça do outro.

Impressionante como a desgraça do outro dá audiência.

Gostar de sentir pena dos outros.

Querer olhar os outros por cima dos saltos altos.

Quero ver como eles são desgraçados, coitados e desventurados.

Como é que tanto sentimento negativo pode caber dentro da gente?

O julgamento – um abismo entre as pessoas.

Um péssimo defeito de caráter é o julgamento que fazemos dos outros.

Estamos na rua e estamos julgando a roupa dos outros, a barba mal feita, o gordo, o magro, a feia, enfim, coisas que não nos dizem respeito.

Diferente de julgar o comportamento descuidado e perigoso, o ato ilícito e criminoso, ou a agressão ou ofensas diretas.

Mas o nosso julgamento vai muito além, facilmente vestimos o uniforme de juiz do mundo.

Ele é perfeito.

Vivemos num mundo perfeito, mas imperfeito.

Perfeito, no sentido que tudo está no lugar e tudo é como deveria ser.

Imperfeito no sentido de que nada é como desejamos.

Isso vale também para as pessoas.

Ninguém é exatamente como desejamos, e está bem.

Quando colocamos alguém no pedestal de pessoa perfeita, estamos arrumando um motivo para nos decepcionarmos.

Não coloque ninguém num pedestal.

Ele vai cair de lá e você vai se decepcionar.

Desejar que o companheiro seja perfeito é normal.

Esperar que ele seja perfeito é fonte de frustração.

Exigimos muito dos outros e conseqüente de nós mesmos, e isso é um ciclo vicioso da insatisfação.

Esperamos muito dos outros, nos decepcionamos e ficamos tristes.

Nos esforçamos como nunca, e esperamos o reconhecimento que não vem e nos decepcionamos.

Ficamos impacientes com os outros e consigo próprio.

Aplicamos a regra da culpa pra si e para todos.

Entramos na eterna ruminação do mundo ideal que não existe, o mundo longe do razoável, longe do aceitável.

Nada precisa ser perfeito, ou seja, do jeito que eu quero.

O perfeccionismo no fundo é uma atitude prepotente.

Eu sou perfeito, portanto, não posso aceitar nada que não seja diferente de perfeito, no meu conceito.

Isso cobra um preço elevadíssimo, especialmente para mim mesmo.

Nada que eu faça está satisfatório, pois poderia ter sido melhor, perfeito.

É um paradoxo, pois nos colocamos acima de tudo e sempre nos sentimos abaixo da expectativa.

Quando colocamos alguém num pedestal, transferimos isso para outra pessoa, e isso acaba em desastre para os relacionamentos.

As pessoas não são perfeitas, mas não quer dizer que não são boas.

Posso não ser perfeito, mas sou capaz de coisas incríveis.

Posso errar, mas posso me dedicar de verdade e surpreender a mim mesmo.

Eu posso ser feliz com o mundo que está aí, e com as pessoas que aí estão.

Beco

Desça do pedestal.

Não se sinta ridículo fazendo coisas miúdas.

Não se julgue muito importante para tratar de coisas pequenas. Até nas coisas pequenas há uma fonte de alegria e de felicidade.

As pessoas que se colocam num pedestal, ficam tão afastadas das coisas comuns, que tenho dúvida se aproveitam a vida.

Estão tão distantes das pessoas que não conseguem exercitar a empatia. Não conseguem se colocar no lugar dos outros, pois sequer enxergam os outros.

É a prepotência.

As pessoas precisam ouvir as outras, e se estamos num pedestal, não conseguimos ouvi-las.

Não deixe que te coloquem num pedestal, sinta quando a situação se configura e sutilmente desça de lá.

Quando as pessoas colocam outra num pedestal, a miopia permite perceber apenas algumas qualidades, encobrindo totalmente as outras características das pessoas. Não deixamos espaço para que as pessoas sejam simplesmente humanas.

O mesmo acontece conosco quando nos colocamos num pedestal, não enxergamos os nossos defeitos, e assim não nos preocupamos em eliminá-los. O nosso crescimento pessoal está totalmente prejudicado. Tampouco deixamos espaço para sermos humanos.

Se estamos colocando os outros num pedestal, é bom revisar a nossa auto-estima.

Estamos nos valorizando?

Estamos nos sentindo diminuídos?

Diferente de quando admiramos uma pessoa, ou nos sentimos orgulhosos de nós mesmos.

O pedestal só deixa aparecer algumas qualidades.

O pedestal só deixa ver aquilo que queremos ver.

É um fenômeno totalmente ilusório, pois estamos todos pisando no mesmo chão e respirando o mesmo ar.

Uma hora o a coisa se torna real, e a decepção é inevitável.

Beco