Meio Ambiente Posts

O Imbondeiro.

Eu encaro o encontro com as árvores assim como o encontro com as pessoas.

Fico maravilhado quando me encontro com árvores tão formosas quanto este Imbondeiro que visitei ontem em Luanda-Angola. No Brasil, a chamamos de Baobá.

Só de me aproximar dela, sinto a história passar na minha mente.

Acredito que esta tenha bem uns 300 anos. Ainda uma adolescente, visto que elas podem durar alguns milhares de anos.

No caminho de retorno à Luanda, pude experimentar a Múcua, a fruta do Imbondeiro, cuja polpa é comestível e tem um sabor muito característico que me lembrou chocolates italianos.

Durante o almoço tomamos o suco de Múcua, forte, espesso e saboroso, enfim, foi um passeio dedicado ao Imbondeiro, um presente que me foi agraciado pelos meus cicerones Victor e Daniela.

O Imbondeiro é o símbolo nacional de Angola, uma árvore sagrada e sobre ela giram inúmeras lendas.

Há alguns anos, assisti na televisão brasileira um programa com Regina Casé dedicado ao Imbondeiro, e ela conta uma lenda interessante, que esta árvore invejava muito as características das outras árvores, as folhas, os frutos, e por isso mesmo, foi castigada pelos Deuses, que a arrancaram e a replantaram de cabeça para baixo, e por isso o seu formato de copa que mais se parece com raízes, retorcidas e com poucas folhas.

Mas a natureza é o que é, e o Imbondeiro é um gigante vegetal que pela longevidade, tem testemunhado como nenhum outro ser vivo, o homem e a sua luta.

E esta árvore da foto, que cumprimentei com o meu costumeiro tapinha nas costas e um abraço, me respondeu com um som firme e denso, resultado de bons séculos vividos.

Beco

Fique atento para os instantes mágico.

Um prazer momentâneo, um pássaro raro que cruza o ar.

 Uma flor tão esperada que acaba de desabrochar.

 Uma brisa fria e maravilhosa num dia calorento.

Fique atento, aprecie, saboreie.

Não se distraia. Preste atenção e saboreie.

Isso vale também para coisas materiais, um doce fantástico, uma fruta, etc.

No meu trajeto para o trabalho, passo próximo de uma reserva natural, e às vezes consigo capturar a imagem de um casal de tucanos cruzando a pista pelo alto. Voam de maneira muito diferenciada, e é um momento mágico que coincide a minha passagem com a deles, e acontece duas vezes ao ano.

Aprecio muito ver a lua cheia quando volto do trabalho. Aproveito uma parada do trânsito para olhar e saborear essa maravilha da natureza.

Os relacionamentos pessoais são repletos de momentos mágicos.

Reconheça quando eles surgem de repente para encher a sua vida de vida.

O contato com a natureza, uma caminhada no parque revelam a cada passo um spot mágico da mão Divina.

Olhar as fotografias das suas viagens ou da família traz lembranças fantásticas.

Quem tem filhos sabe muito bem o que estou falando. Vê-los crescer, aprender e se realizar.

Para que toca algum instrumento musical, ou mesmo aprecia a música, aquela passagem sempre nos emociona.

Quem trabalha com o mundo das artes plásticas, seja realizando a obra ou mesmo apreciando, experimenta algo único.

Quem aprecia a leitura passa por inúmeros trechos a cada obra onde a respiração parece nos faltar por uma fração de segundo.

Saboreie os momentos mágicos.

Beco

Cuide do planeta.

Adote uma atitude e comportamento cuidadoso com o planeta. Adote um consumo consciente, pense na sustentabilidade do planeta e isso vai fazer bem para a alma.

Pense nos recursos para as próximas gerações.

Não depredar, economizar, construir, proteger.

Os recursos são escassos, a população é crescente e os hábitos de consumo, infelizmente, estão se tornando insaciáveis.

O consumo desmesurado aplica uma pressão enorme sobre os recursos e sobre a produção de energia.

Estamos com isso projetando uma condição insustentável para nós mesmos sob vários aspectos.

Acredito na educação, especialmente dos jovens, para práticas sustentáveis e mais do que isso, saudáveis – lixo na rua – torneira aberta – luz acesa – compras desnecessárias – comida sobrando no prato etc.

Recentemente convidei uns amigos para comemorar o meu aniversário, e no convite dizia expressamente que não aceitaria presentes de qualquer natureza, com o objetivo de reduzir a nossa pegada ecológica no planeta.

Todos atenderam ao chamado, ninguém me trouxe presente, e uma amiga me trouxe um livro usado que ela já havia lido, o que achei perdoável.

Atualmente, acho que a abordagem do Tripple Bottom Line, que congrega os aspectos sociais, econômicos e ambientais é a mais razoável, o que me pareceu bem explicado no link abaixo:

Como funciona o desenvolvimento sustentável.

Passe adiante.

Beco