mágoa Posts

Perdão – uma opção ao sofrimento.

Nem todo sofrimento envolve o perdão, mas vou contar um caso extremo bastante conhecido.

A jovem ativista Amy Biehl foi morta na Africa do Sul justamente pelo povo objeto de suas ações humanitárias.

Seus pais foram à Africa do Sul e criaram uma Fundação – Amy Biehl Foundation para dar continuidade às ações interrompidas de sua filha. Arrecadaram fundos e conseguiram expandir os projetos.

Eu fiquei magoado.

Houve momentos onde fiquei magoado, fiquei aborrecido, fiquei ressentido.

Mas depois, fiquei pensando profundamente, não sobre a mágoa ou quem me magoou, mas exatamente na palavra fiquei.

O que ela significa?

Vejo que eu posso incluir a palavra escolhi e aí faz mais sentido.

Eu escolhi ficar magoado, eu escolhi ficar aborrecido ou ressentido.

Não prejudique quem te ajuda.

Parece brincadeira, mas tem muita gente complicada que até para ajudar é difícil.

Procure não se enquadrar nessa categoria.

Não prejudique quem está te ajudando.

Aceite ajuda de coração.

Seja humilde e simplesmente aceite, sem críticas, sem culpa, de coração aberto.

Às vezes agimos com tal prepotência que recusamos ajuda e ofendemos quem nos estende a mão simplesmente porque julgamos acima de tudo isso. Recusamos ajuda porque achamos que vamos nos diminuir, e acabamos prejudicando quem mais nos ajuda.

Aceitar ajuda não nos tornam dependentes, diminuídos ou incapacitados.

O espírito perfeccionista também nos faz avessos à ajuda externa e às vezes podemos ofender quem nos ajuda.

Fazemos um julgamento negativo e açodado a respeito da pessoa que nos ajuda – ela não sabe porque passei.

Nos sentimos vulneráveis e rapidamente nos colocamos dentro de uma couraça de proteção, que na verdade nos protege contra o bem, e nos deixa ruminando o mal interno.

A auto-suficiência também afasta a ajuda – que as pessoas cuidem do seu próprio nariz.

A miopia da nossa real condição também nos coloca em negação do problema, da dificuldade e portanto de rejeição a qualquer ajuda.

Podemos também ver o mal em tudo. Aquele que me oferece ajuda é cínico, pois não está em sofrimento.

Reconheça quando as pessoas estão com boas intenções.

Não se julgue tão auto-suficiente.

Deixe a arrogância e a prepotência de lado, afinal você está com dificuldades, em sofrimento.

Seja humilde, se valorize, se levante do chão e segure a mão estendida.

Confie.

Não tenha a ilusão de que os problemas são fáceis e você é o todo poderoso, o super-herói.

Não se sinta uma carga para ninguém.

Não sinta culpa e não culpe ninguém por sua situação.

Não tenha pena de si próprio.

Não engate na resposta automática do: não, obrigado!

Exercite o: sim obrigado!

Beco

Frases com poder para destruir.

Sai sem querer, especialmente quando estamos com raiva.

São palavras que destroem o bem-estar e a felicidade e por isso devemos evitar.

“Depois de tudo que fiz por você”.

“Agora você está contente?”

“Eu não disse que você ia se prejudicar?”

“Não me interessa o que você pensa.”

“Não vou te perdoar enquanto eu viver.”

São palavras que tem o poder de destruir.

Se fazemos isso com freqüência porque aprendemos a utilizá-las, devemos desaprender.

O resultado é sempre catastrófico para que fala e para quem ouve. Pessoas magoadas, arrependidas, com sentimento de culpa e infelizes.

Não deixe o veneno dominar a sua língua.

Entenda que isso é uma coisa natural e ancestral do homem das cavernas – fazer cara feia – rosnar e ameaçar morder como forma de sobrevivência. O homem moderno não precisa de nada disso.

Aceite que isso está no seu DNA, mas não se deixe dominar.

Como antídoto desse comportamento tóxico, passe a elogiar, agradecer e motivar.

Outro dia aprendi que o primeiro aprendizado do bebê, e isso também é um instinto ancestral, é reconhecer a fisionomia dos pais, sejam eles de irritação, de carinho e de apoio.

Numa situação complicada, e caso você não se sinta à vontade para dizer qualquer coisa, faça uma fisionomia de aceitação, um sorriso, um balançar de cabeça já é o bastante.

Isso já vai te livrar do seu próprio veneno.

Beco