Intenções Posts

Escreva o livro da sua vida

Escreva o livro da sua vida

Esta semana recebi uma recomendação interessante da plataforma de gamificação para a saúde de que participo, que me envia diariamente uma indicação para melhorar a minha vida, especialmente na questão da saúde, e tem a ver com o assunto: o livro da sua vida.

Gamificação:

A plataforma que participo se chama Daily Challenge, talvez a melhor do mundo, aberto para qualquer pessoa. O foco maior é na movimentação, exercício físico, mas tem também nutrição, relacionamentos. Para aqueles que querem por email, uma recomendação diária, me mandem uma mensagem com o endereço de email que eu envio um convite.

O livro da sua vida:

Imagine que um biógrafo apareceu para escrever um livro contando tudo da sua vida nos últimos 12 meses, e você vai começar a contar tudo que aconteceu.

Faça um resumo, conte as coisas boas, os desafios vencidos, as dificuldades que você soube superar.

 

Celebre:

Você vai celebrar as realizações?

Você vai se sentir grato pela vida que tem?

Que tal examinar as novas habilidades adquiridas.

Você se sente mais madura, mais preparada para as adversidades da vida?

Anuncie:

Você vai dar uma dica da pessoa que você está se tornando?

Imagine que alguém vai ler o seu livro e vai ter, não só uma boa impressão de você, mas mais do que isso, vai ter a percepção da pessoa que você está se tornando.

Visão de longo prazo:

Um dos objetivos do exercício do livro da sua vida é trazer uma perspectiva mais de longo prazo. É trazer o seu olhar para um horizonte mais largo do que aquele que somos chamados a ter no nosso cotidiano. Ficamos tão entretidos com aquilo que temos que fazer na semana que nos esquecemos do que vamos fazer no ano que vem. Nos estressamos com algum conflito no dia de ontem e nos esquecemos de tanta coisa boa que aconteceu há 6 meses.

Escrever te faz bem:

Quando escrevemos sobre a nossa vida, somos obrigados a escolher as palavras, e isso é um exercício valioso de significação, de dar a verdadeira cor, o peso real de tudo que nos aconteceu.

Título:

Escolha um título para o seu livro.

“O ano que Maria decidiu cuidar mais de si mesma.”

“O ano que Paulo criou coragem para enfrentar de cabeça erguida o que vem pela frente.”

Foto de capa:

Cole uma foto, aquela que você mais gosta, e que retrata a pessoa corajosa que você é.

Isso é para você lembrar do seu valor, da sua história.

Rubens Sakay

As vidas que tocamos

As vidas que tocamos

As vidas que tocamos no nosso trajeto são mais importantes que os objetivos alcançados ou o sonho realizado. No sábado passado estava assistindo um video de Neale Donald Walsh que trouxe essa reflexão.

Disse ele que estava com cinquenta anos e refletindo sobre a sua vida e tudo que havia realizado, fez a seguinte pergunta a Deus:

Quarto compromisso

Quarto compromisso

Comentei em postagens anteriores os compromisso de Don Miguel Ruiz e hoje comento o quarto compromisso : Sempre dê o melhor de si.

Compreenda bem a si mesmo, e em qualquer circunstância, dê o seu melhor. Aprenda sobre as limitações, mas não se intimide com elas, e não invente desculpas baseadas nas suas limitações.

Não alimente as fofocas

Não alimente as fofocas

Não coloque pilha nas fofocas, fique longe delas, não se envolva e não se identifique com elas.

Não crie fofocas. A grande maioria das fofocas tem a ver com coisas erradas que outras pessoas fizeram, ou algo de errado que aconteceu com outras pessoas. Não alimente o seu espírito com a desgraça alheia.

O que eu ganho com isso?

Disseminando as fofocas estamos nos alimentando do nosso próprio veneno.

Desafios renovados.

Nos levantamos da cama todos os dias dispostos a viver um bom dia, e contribuir, crescer, se tornar uma pessoa melhor.

Mas temos que ter objetivos e metas desafiantes, algo que faça brilhar os nossos olhos. Temos que renovar os desafios constantemente, manter elevado o nosso entusiasmo pela vida.

Pense nos desafios como algo que traz sentido para a sua vida, e não somente aumente os zeros na sua conta corrente.

A sua capacidade tem que ser colocada a serviço de enfrentar os problemas e as adversidades e não se esconder deles.

Pessoas boas fazem maldades.

As pessoas ferem outras não só com os seus atos deliberados de maldade, mas também com seus involuntários equívocos.

Temos que compreender a natureza humana, e nós mesmos para não sair culpando todos, julgando e condenando.

Não somos perfeitos, e sei que já causei mal a outras pessoas. Quando o ato é involuntário, e nos damos conta em tempo, devemos nos desculpar, pois é a coisa mais honesta para manter os relacionamentos saudáveis.

Muitas vezes, nem percebemos que causamos mal, e as pessoas nada falam, se distanciam, e nunca vamos saber.

As tentativas não tentadas.

Temos inúmeras dúvidas na nossa vida, se casamos, se mudamos de emprego, e em muitas tantas vezes, deixamos de tentar algo novo, experimentar, inovar, correr o risco.

As tentativas não tentadas representam cem por cento de fracasso, pois simplesmente as detonamos antes de germinarem.

Eu particularmente tenho uma coleção enorme de iniciativas fracassadas, mas foram todas, objeto de alguma tentativa que realizei. Algumas tenho na memória como fracassos hilariantes, outros fracassos quase bem sucedidos. Mas para todas as tentativas, tenho uma sensação de realização, de movimento, de risco e sobretudo da crença de que posso conseguir.

Acredito muito na minha capacidade, e acredito que a sorte pode estar do meu lado, algumas vezes.