Individualidade Posts

Dê prioridade aos amigos

Dê prioridade aos amigos

Valorize as amizades, os relacionamentos; dê prioridade aos amigos.

Este mês fomos todos surpreendidos com o lançamento do programa do governo britânico de Thereza May, estimulando e orientando o país todo a dedicar atenção aos relacionamentos. Dizem que May recomenda que os médicos prescrevam mais relacionamentos e nem tanto medicamentos.

Diferenças políticas

Diferenças políticas

Procure conduzir as conversas para um pouco além das diferenças políticas. Essa limitação que todos no mundo experimentamos, rompem relacionamentos, nos tornam mais preconceituosos e deixamos de aproveitar o que cada pessoa tem de bom.

Um insight:

Li recentemente um artigo de Sharon Shuster e Susan Jerison sobre “Dez dicas para estimular as pessoas a falarem além das suas diferenças políticas”. A reflexão que elas fazem sobre a sociedade americana se aplica diretamente na nossa e muitas outras que vivem rupturas políticas e embates nacionais em torno de práticas, ideologias e lideranças.

Pessoas inteligentes e sensatas não conseguem compreender os outros ou mesmo estabelecer uma ponte entre o que um diz e o outro contesta. Trazem para a arena da discussão, temas e aspectos tão complexos tais como as diferenças raciais, culturais e religiosas, e o ambiente não sinaliza para qualquer entendimento.

Discussão embolada:

Os temas tão importantes para o desenvolvimento de uma nação, erradicação da pobreza, corrupção, governança, constância de propósitos, ética e moral, qualidade das instituições são todos embolados na polarização, que muito longe de ser um problema, é também um ingrediente da política.

A democracia e o estado de direito ficam também em segundo plano, tal é o calor das discussões.

Convergência:

A tão desejada convergência deve acontecer nos temas de interesse comum.

Ninguém quer menos educação, menos saúde, mais desigualdade, mais corrupção e assim por diante.

Temos que encontrar colaboração nos assuntos críticos para o país, para o bem público.

Sem o calor o desconforto e o conflito da polarização, podemos discutir soluções adequadas e trabalhar juntos para colocá-las em prática, diz os autores.

Somos todos impactados:

Procure assuntos que impactam todos numa sociedade, temas pouco controversos, segurança pública por exemplo.

Ninguém discorda que o crime tem que ser punido, e que a segurança dos indivíduos e do patrimônio de cada um precisa ser protegido.

Construa um lugar comum, leve a conversa para coisas que todos concordam.

Traga para a discussão a opinião imparcial e técnica de pessoas experientes e reconhecidas na área.

O sucesso que todos concordam:

Todos concordam o que é bom para a sociedade, discordam apenas da maneira, da ação governamental, da liderança dos políticos.

Trabalhe mais a figura desse sucesso, do bom, do adequado. Não avance adiante se as discordâncias são insuportáveis. Não jogue lenha na fogueira.

Concordar com alguma coisa já é bom.

Veja no caso dos Estados Unidos, todos concordam que precisam acabar com os tiros e mortes nas escolas.

Foco mais apertado:

Não amplie a discussão, pois as discordâncias podem aparecer.
Discordâncias são importantes para se construir qualquer coisa, mas estamos apenas querendo preservar o ambiente, as relações.

Linguagem:

Procure usar uma linguagem mais neutra, sem rótulos e preconceitos.

Ambiente colaborativo:

Deixe espaço para que todos falem, coloque sua ideia, sua contribuição.

Deixe a curiosidade navegar, pergunte mais detalhes, procure entender.

Identifique tendências que algumas pessoas têm de dominar a discussão. Interfira de maneira educada.

Procure juntar pessoas que concordam, e construa uma base comum. Conecte as pessoas.

Aprendizagem:

Acima de tudo, crie uma oportunidade para que uns aprendam com os outros.

Rubens Sakay

Sua melhor escolha

Sua melhor escolha

Ficamos muito estressados com nossas escolhas. Carregamos a dúvida se conseguimos escolher bem, se o caminho trilhado era o melhor. Esse estresse pode e deve ser reduzido. Muita escolha é também motivo de infelicidade.

Sutil arte de ligar ou desligar

Sutil arte de ligar ou desligar

A sutil arte de ligar o F, na minha visão é a arte deliberada de se desligar de uma porção de coisas que não nos diz respeito. É um recurso valioso para reduzir o estresse e aprender a cuidar mais de si mesmo. Tirar o foco em outras pessoas. Este é o melhor ensinamento de Mark Manson no seu best-seller.

A sutil arte de ligar o F é se desligar:

O título do livro de Manson parece ofensivo, algo que não gostaríamos de ouvir numa conversa séria em família. Na verdade o título adotado no Brasil confunde um pouco o sentido que o autor deu à sua abordagem.

O nome correto do livro, e que traduz o “I gon’t give a f*ck”, seria “Eu não dou a mínima”.

Na explicação detalhada do autor, vem o ensinamento precioso de aprender a se importar com as coisas que realmente importam.

Meu vizinho comprou um carro mais bonito que o meu: “Eu não dou a mínima”.

O meu cunhado conseguiu um emprego melhor que o meu: “Eu não dou a mínima”.

Porque?

Uma recomendação para descobrir se você está se importando por muita coisa boba, é se perguntar porque você se importa com alguma coisa, e veja o que você descobre.

É bem provável que você chegue à conclusão de que está colocando muita coisa no seu radar que não deveria estar lá. Carregando muita coisa na sua mochila que não é seu negócio; pedras, peso morto, ferro-velho.

Veja se tudo isso não é motivado por insegurança, egoísmo, inveja e outros sentimentos negativos.

Um herói crítico:

Manson comenta sobre o “Disapointing Panda”, o herói que ninguém quer ter, aquele que fica te criticando no bom sentido, apontando para aspectos duros da sua vida. Ninguém precisa de um herói como esse, mas todos deveriam representar esse papel consigo mesmo. 

Se ligue naquilo que te diz respeito:

Não dar a mínima, na leitura de Manson não quer dizer se desligar de tudo, deixar tudo correr solto.

É na verdade se importar com aquilo que é a sua vida, e deixar a vida dos outros em paz.

Como já comentei em postagem anterior: Cuide mais da sua vida.

Se ligue em si mesmo.

Rubens Sakay

 

Pare de se sabotar, de colocar cascas de banana no próprio caminho

Pare de se sabotar, de colocar cascas de banana no próprio caminho

Pare de se sabotar, de colocar, você mesma, dificuldades na sua vida. Não coloque cascas de banana no próprio caminho. A vida já difícil por natureza, e a pior coisa que você pode fazer e trabalhar contra si mesma.

Você é capaz:

Antes de mais nada, acredite que você consegue, que você dá conta de fazer. Depois, numa segunda etapa, comece a analisar honestamente as dificuldades, as limitações. Não comece se sabotando de cara.

As oportunidades podem se abrir:

O mundo está aí para conectar coisa com coisa, e todo dia tomamos conhecimento de alguma coisa fantástica que acontece com pessoas comuns.

A vida é difícil e você não está sozinha:

A vida é difícil para todo mundo. Ninguém te disse, quando você nasceu que a vida seria um passeio no parque. A boa novidade é que você não precisa fazer tudo sozinha. Vivemos em comunidade e podemos contar com os outros, assim como ajudamos que precisa.

Comemore quando tudo dá certo:

Aprenda a se valorizar e a comemorar quando as coisas dão certo, quando o seu esforço é recompensado com boas realizações. Se dê valor.

Errar não é punição:

Errar é humano, e cometemos erros para não cometê-los.

Errar não é punição pela nossa incompetência. Errar é uma lição pela nossa inexperiência, que vamos sobrepujar, vencer e realizar.

Você pode melhorar:

Ninguém nasce sabendo, e qualquer um pode aprender uma nova habilidade com atenção, seriedade e determinação. Olhe para o seu passado e veja quanto você evoluiu, quanta coisa nova você aprendeu.

Veja o lado positivo em tudo que faz:

Nem tudo que fazemos vem carregado com orgulho, satisfação, ou resultados imediatos.

A vida é mesma de trabalho duro, mas procure ver os aspectos positivos em tudo que acontece na sua vida.

Valorize o seu esforço em fazer o que tem que ser feito.

Você vai conseguir:

Quando nos empenhamos de fato, o resultado é uma consequência.

“Quanto mais me empenho, mais sorte tenho.” Um velho ditado que nos mostra que a receita é fazer sério, assumir a responsabilidade, e a sorte vai nos encontrar.

Rubens Sakay 

Dizer sim quando quer dizer não

Dizer sim quando quer dizer não

É muito comum se dizer sim quando quer dizer não.

Porque é muito difícil dizer não? Existe uma maneira de dizer não com mais facilidade?

Se você tem dificuldade para dizer não, saiba que não está sozinho.

Cuide mais da sua vida e menos da vida dos outros

Cuide mais da sua vida e menos da vida dos outros

Uma vez ou outra você deve trazer na sua lembrança de que é a pessoa mais importante do mundo é você mesma, e com isso em mente, cuide mais da sua vida e menos da vida dos outros.