Futilidades Posts

Intimidade consigo mesmo

Intimidade consigo mesmo

Experimente a intimidade consigo mesmo. Se desligue por algum momento de tudo que te puxa para fora de si, as conexões com outras pessoas, com as circunstâncias e com as redes sociais.

Segundo compromisso

Segundo compromisso

O segundo compromisso de Don Miguel Ruiz que foi divulgado em seu livro “Os Quatro Compromissos” é – não leve nada para o lado pessoal. Explico nessa postagem esse segundo compromisso em continuidade ao primeiro que expliquei em postagem anterior.

O segundo compromisso:

Não levar para o lado pessoal significa não tomar partido não tomar ao pé da letra tudo que ouve sobre você.

Se fizerem um comentário maldoso sobre você, não assuma que isso seja verdade e não saia rebatendo como uma agressão ou ofensa. Não tome partido em tudo que ouve. Experimente a indiferença, especialmente quando a fonte dessa observação não merece consideração, ou venha contaminado de raiva, ressentimento.

O veneno:

Não deixe que o veneno que atiram para você te atinja assim, facilmente.

As pessoas fazem os comentários motivado por algo que se passa dentro dela, e você não deve assumir isso como algo seu, que te diga respeito, que seja sua responsabilidade. Deixe passar.

Os filtros:

As pessoas enxergam a realidade segundo os próprios filtros, e suas observações são distorcidas por conta desses filtros, e você não deve aceitar isso como verdade. Não deve aceitar que tais observações impactem sua vida sem o devido desconto.

Não tome literalmente – dê um desconto.

Carga negativa:

Quando aceitamos e assimilamos tudo que dizem a nosso respeito, carregamos essa carga negativa sem questionamento.

É como se colocassem pedras pesadas na nossa mochila e saíssemos carregando sem reclamar.

Não aceite e nem leve para o lado pessoal.

Perceba os comentários como algo que chega pelo ar e vai passando ao largo sem te afetar.

Rubens Sakay (Beco)

Na escuridão, não enxergamos e nos confundimos

Na escuridão, não enxergamos e nos confundimos

Precisamos da luz para nos reconhecermos na escuridão. Com a luz, ganhamos identidade, individualidade, mostramos a nossa cara. Temos que evitar a sombra da ignorância.

Me recordo sempre da canção muito antiga de Sergio Endrigo, “Pesci Rossi”. A canção começa assim: “come faranno i pesci rossi in fondo al mare a riconoscersi tra loro tutti  neri nell’oscurità”.A canção explica que na escuridão todos os peixes são pretos. Sendo assim, como é que os peixes vermelhos vão se reconhecer, como se destacarão dos outros peixes na escuridão do fundo do mar.

A vida simples pode ser uma vida mais rica e abundante.

A vida simples pode ser uma vida mais rica e abundante.

A vida simples não quer dizer vazia, sem significado, muito pelo contrário. Quando adotamos medidas para simplificar a vida, facilitamos aproveitar a vida em tudo que ela nos oferece, livres das armadilhas do cotidiano.

A vida não é fácil para ninguém como eu gosto de repetir. Mas ao desativarmos as armadilhas que complicam a nossa vida, damos chance para perceber as oportunidades de realização e usufruto.

A primeira armadilha é o excessivo materialismo, muitas posses, muitas escolhas e nenhuma dificuldade para preencher as necessidades materiais.

Desprezo – um mal que merece ser corrigido

Desprezo – um mal que merece ser corrigido

Temos que nos livrar dessa sede de sentir desprezo pelos outros, se alegrar com a desgraça alheia e desejar o mal dos outros.

Fazemos fofocas, sentimos inveja, pensamos o fracasso de outras pessoas.

Você não imagina o mal que isso faz a nós mesmos.

O espírito arrogante imagina que está se colocando muito acima das outras pessoas quando na verdade está se posicionando na baixeza e na pobreza da alma.

A felicidade ao alcance da mão

A felicidade ao alcance da mão

Não deixe a felicidade escapar, e mantenha-a sempre ao alcance da mão.

Muita gente coloca o próprio bem estar fora do seu alcance, fazendo dela algo inatingível, algo que exija um esforço descomunal, ou ainda, signifique uma barganha fora de propósito para atingir.

Escolha ser feliz com as coisas que estão ao seu alcance todos os dias o dia todo. Tenha a felicidade perto de si. Tenha-a ao alcance da própria mão.

Não adie a felicidade para depois que se aposentar, depois do casamento, depois dos filhos.

Se dê esse presente

A vida é um presente, e devemos cuidar dela sem desperdiçar nenhum momento.

Se dê esse presente, cuidando de si, procurando ser uma pessoa melhor a cada dia.

Temos esse potencial dentro de nós. O nosso gene é bondoso amoroso e altruísta, e podemos permitir esse fenômeno do florescer humano em nós mesmos.