Estresse Posts

O perigo salta aos olhos.

Somos seres programados para enxergar o perigo em tudo. Uma face ameaçadora no meio da multidão, um barulho inesperado, ou mesmo um movimento brusco faz com que nos sintamos ameaçados.

Estamos numa reunião de trabalho, e algumas palavras ríspidas ditas em tom alterado também provoca o mesmo efeito e eleva o nosso nível de estresse.

Sentimos a pulsação aumentar, as mãos ficam frias, e é o nosso ser ancestral se preparando para lutar ou fugir.

Essa prontidão para reagir à ameaças pode provocar efeitos adversos no nosso organismo.

As horas que passo acordado.

Procuro me acalmar quando chega a hora de dormir, mas às vezes a agitação mental é tão grande que passo horas tentando dormir. Inevitavelmente vou para o computador e começo a trabalhar, o que acaba impedindo que a mente se acalme, e o sono venha normalmente.

Evito usar qualquer recurso não saudável, tais como medicamentos ou bebida alcoólica para dormir, e ainda luto para descobrir um mecanismo que funcione. A preocupação com os problemas pessoais é um forte elemento que atormenta a mente quando queremos relaxar e descansar.

Uma calma desconcertante.

Impressionante é a calma que experimentamos quando passamos a cuidar mais de si mesmo, deixando de lado aqueles problemas que não são da nossa conta.

Paramos de querer controlar a vida dos outros, abandonamos a ideia de que somos poderosos, braço direito de Deus, aquele que é responsável por tudo que não tem responsável nesse mundo.

Quando deixamos de lado tantas atribuições que não são nossas, realmente vem uma calma desconcertante, e temos que aprender a lidar com isso.

Não é que sentimos falta da loucura que havíamos criado para nós mesmos.

O estresse que criamos.

Padecemos com o estresse que criamos nós mesmos. Temos muito tempo vago para inventar maneiras de infernizar a vida dos outros e a nossa própria.

Temos que fazer aquela pergunta toda vez que estamos prestes a criar um evento de estresse: até que ponto isso é importante?

Muita coisa sem qualquer importância, acaba se transformando num cavalo de batalha por conta do nosso comportamento explosivo.

O mundo é perigoso, às vezes. Por outro lado, temos uma tendência ancestral, que está no nosso DNA, de ver mais perigo do que realmente existe.

Sinta-se seguro.

Sinta-se seguro onde você está agora.

É uma tendência natural, e é uma herança da evolução humana, se estressar em excesso como se tudo aquilo que imaginamos de ameaça, fosse se confirmar uma após a outra.

A vida não tão perigosa quanto imaginamos, e nos temos uma imaginação fértil para enxergar perigo, e foi assim que sobrevivemos por milhões de anos.

A sensação de segurança vem também da nossa existência e experiências passadas que marcaram o que somos agora.

Vá com calma.

O estresse provoca um mal para o nosso organismo que nem conseguimos avaliar.

O neurocientista e professor da Universidade de Stanford, Robert Sapolsky escreveu um livro: porque as zebras não têm ulceras, onde explica esse processo, e a gravidade para o homem moderno.

Não traga o estresse do trabalho para casa, e quando chegar para se encontrar com a sua família, deixe essa contaminação no escritório.

Comece o dia com calma, e não tome o café da manhã na correria, repassando neuroticamente tudo que vai ocorrer durante o dia.

Se acalente.

Não há quem não se sinta desamparado de vez em quando. Queremos ser pegos no colo como um bebê mimado.

Sigo uma receita prescrita pela autora Debbie Ford.

Pegue uma foto sua quando bebê. Tenha o cuidado de escolher a foto graciosa de um bebê digno de concurso de beleza.

Pegue esta foto, se desligue um pouco da própria identidade com o bebê e deixe que ele receba todo o seu amor.