Esteira hedônica Posts

Felicidade ao alcance da mão.

Não coloque a felicidade onde não possa alcançar, e tampouco deixe que seja controlada pelos outros.

Deixe a chave da sua felicidade na sua própria mão, e assuma a responsabilidade para fazer o que está ao seu alcance. Não deixe que outros manipulem a sua sorte e nem deixe seu barco à deriva, correndo atrás de coisas materiais, pois isso não vai te levar ao destino desejado.

A felicidade é simples e pode ser alcançada quando a colocamos em coisas simples, ao alcance da mão.

Quando pensamos e desejamos coisas perfeitas, sempre vamos encontrar a insatisfação, a decepção.

Um encontro nada casual.

Nenhum encontro é casual. Há sempre alguma razão para acontecer.

O fato de você ter chegado até esta conexão não é casual. Há sempre uma mão milagrosa que nos coloca em conexão, uns com os outros, e vamos fazendo uma corrente benevolente e virtuosa que acaba por final, em uma possibilidade de ajudar quem nem imaginamos alcançar.

Coincidência é quando simplesmente acontece, e nos sentimos gratos de estar no caminho certo.

Eistein gostava de dizer que coincidência é quando Deus quer se fazer anônimo.

Somos protagonistas do nosso destino, mas não somos senhores.

Uma vida mecânica.

O que acontece quando os problemas desaparecem?

Podemos agora usufruir da vida, saborear tudo de bom que nos aparece?

Muitas vezes, quando os problemas deixam de nos atormentar, ficamos prostrados, desmotivados, uma vida mecânica, sem sentido. O que está acontecendo? Fomos esgotados pelos problemas, a nossa energia foi toda gasta?

Na verdade, acontece que passamos muito tempo no piloto automático, vivendo uma vida sem sentido, correndo atrás do prejuízo, e quando a tempestade passa, fica difícil encontrar o caminho.

Temos que procurar sentido na vida, abandonar o círculo vicioso do acordar, vegetar e dormir.

Lições que vêm na calmaria.

Não precisamos estar em apuros para aprender alguma lição.

Lembra-se daquela frase de cinema: ”vou te dar uma lição”, e dá-lhe pancadaria.

Não precisamos estar sob chuva de tapas e socos para aprender alguma coisa.

Muitas lições vêm na calmaria, quando estamos serenos e tranquilos.

Pronto para aproveitar a vida.

A vida é como uma canção bonita. Alguns versos tocam o coração, o refrão que se repete, uma dissonante que dá um leve estresse. Por isso tudo o conjunto melodioso prende a nossa atenção, nos dá satisfação, mesmo quando o compasso é uma repetição.

A vida cotidiana é assim, acordamos, vamos trabalhar no mesmo lugar, na maioria das vezes para dar continuidade ao que iniciamos outro dia, mas sempre nos surpreendemos com novidades. O mesmo acontece na vida familiar, os filhos, a casa, os cachorros, tudo parece igual, mas certamente diferente, e estamos sempre aprendendo algo novo.

Não vai cair de bandeja.

Temos que fazer a nossa parte, pois nada vai cair de bandeja.

É preciso ter fé, acreditar numa Força Superior que pode tudo, mas ainda assim, temos que fazer o que tem que ser feito.

Deus está no controle, mas as ações e iniciativas, temos que assumi-las nós mesmos.

Assumir o controle de nossas vidas, é parar de deixar a vida no piloto automático. É saborear a vida em cada momento e influindo para que cada evento do seu dia tenha resultado consciente, tenha sido pensado.

Não é nada pessoal.

Observamos a montanha, majestosa e devemos mirar no seu exemplo quando se trata de enfrentar as adversidades da vida.

É uma metáfora muito boa.

Ela é bombardeada milhões de vezes pelos ventos, tempestades, granizo, e continua impassível, elegante, humilde, mas portentosa. E o mais importante, ela não leva nada pelo lado pessoal, eu imagino.

O mesmo não acontece com a gente. Qualquer coisa que acontece de errado, temos uma tendência de levar para o lado pessoal.