Diferenças Posts

Na escuridão, não enxergamos e nos confundimos

Na escuridão, não enxergamos e nos confundimos

Precisamos da luz para nos reconhecermos na escuridão. Com a luz, ganhamos identidade, individualidade, mostramos a nossa cara. Temos que evitar a sombra da ignorância.

Me recordo sempre da canção muito antiga de Sergio Endrigo, “Pesci Rossi”. A canção começa assim: “come faranno i pesci rossi in fondo al mare a riconoscersi tra loro tutti  neri nell’oscurità”.A canção explica que na escuridão todos os peixes são pretos. Sendo assim, como é que os peixes vermelhos vão se reconhecer, como se destacarão dos outros peixes na escuridão do fundo do mar.

O quanto sou diferente dos outros e ao mesmo tempo muito parecido

O quanto sou diferente dos outros e ao mesmo tempo muito parecido

Gostamos de pensar que somos diferentes dos outros, e às vezes ficamos buscando evidências das diferenças até para justificar diferentes opiniões e ações.

Isso acaba afastando as pessoas, pois devemos buscar afinidades, interesses convergentes e razões para estarmos juntos.

Busque os pontos comuns com os outros.

Somos iguais nas diferenças.

Somos diferentes nas semelhanças.

Mesmo quando buscamos as mesmas coisas, o contentamento em atingir é diferente de pessoa para pessoa.

Felicidade tem um significado diferente para cada um.

Uma perspectiva particular

Uma perspectiva particular

Cada pessoa enxerga a realidade de uma perspectiva particular, e você não deve esperar ou exigir que outros vejam as coisas como você vê. Tampouco espere que as pessoas gostem das coisas como você.

Cada um enxerga e valoriza as coisas à sua maneira. Querer que todos sejam iguais a você é um expectativa completamente inadequada, e fonte de stress interminável.

A primeira experiência conflitante é em casa mesmo, com a esposa, marido, filhos. Temos essa mania ingrata de querer enquadrar todo mundo, e essa prática é exercitada todos os dias em casa.

Nunca, demora um pouco

Temos o hábito de dizer que nunca vamos fazer isso, ou tolerar aquilo ou perdoar aquela pessoa. Nunca pode demorar um pouco, mas pode chegar, e isso vai nos ensinar a sermos mais flexíveis.

Quando somos intolerantes, radicais, definitivos, sofremos muito com o mundo que nos cerca, pois nada é assim tão afirmativo.

A tolerância e a flexibilidade são atributos importantes para navegarmos nesse mundo de tanta incerteza, injustiça e distorções.

Nada é perfeito e temos que aprender a tolerar certas coisas, ou não vamos viver em paz.

Desaprendendo sobre diferenças.

Estamos sempre aprendendo e desaprendendo sobre diferenças. Quando crianças, não sabíamos como distinguir as pessoas de acordo com seu nível social, cor ou qualquer outra discriminação de ordem econômica. Com o tempo, aprendemos a fazer isso e ativamos o preconceito, a segregação e tantos outros males.  Temos que desaprender a procurar diferenças.

Somos pessoas comuns, iguais, vivendo a mesma experiência neste lugar. O fato de enfrentarmos circunstâncias diferentes seja no nascimento ou no curso da vida, não nos faz indivíduos privilegiados ou desgraçados.

As diferenças que notamos não devem representar qualquer limitação para nos relacionarmos plenamente com qualquer um que seja. Temos que desligar o mecanismo mental de procurar diferenças, como se quiséssemos entrar no íntimo de sua conta corrente ou do seu guarda roupas.

Não julgue tanto as pessoas.

Quem julga muito ama pouco. Não julgue tanto as pessoas.

Já dizia Madre Tereza, quem perde muito tempo julgando as pessoas, não tem tempo para amá-las, e eu acho isso absolutamente verdadeiro, pois o julgamento não deixa espaço para o amor, a apreciação, a admiração.

Pensamos estar sendo racionais, fazendo um julgamento imparcial e objetivo, mas estamos impedindo que os nossos relacionamentos sejam virtuosos, que o amor ultrapasse essa dura capa de prepotência e arrogância que estamos construindo ao julgar os outros.

Desarme o seu espírito.

Desarme o seu espírito para sentir a harmonia das coisas, como se tudo estivesse no lugar que deveria estar.

Interrompemos a sede enorme de se afirmar, convencer e persuadir,

Tudo no lugar, sem a urgência de se defender, se comparar e se sobressair.

O espírito desarmado é aquele que usufrui da abundância da vida, aprende todas as lições e aproveita cada circunstância, boa ou má.