Defeitos Posts

Se morder a língua morre envenenado.

Porque temos que ter tanto pensamento ácido na ponta da língua. Assim vamos morrer envenenados se mordermos a própria língua.

Alguns escritos religiosos comentam que o golpe da língua quebra os ossos, de tão forte que é.

Para o nosso próprio bem, temos que moderar bastante aquilo que falamos de outras pessoas. Especialmente aquilo que falamos pelas costas.

Os outros podem discordar.

É uma luta lidar com opiniões contrárias.

Acredito que seja para mim uma aprendizagem sem fim, um passo de cada vez.

Sempre tive essa deficiência de me achar o sabichão, e procuro elaborar bem as minhas ideias. Mas quando recebo opiniões contrárias, a minha mente entra em alta rotação. Procuro intensamente melhorar essa minha característica.

Não sou dos piores, mas estou muito longe do que chamo de mente aberta.

Sinto que estou fazendo errado.

A vida é um trajeto cheio de erros, acertos e correções.

Temos que ter serenidade para perceber ajustes que temos que fazer na viagem.

Não é o primeiro aviso que recebo, de que tenho que fazer as coisas com mais calma. Tenho uma tendência a correr, apressar o passo, fazer mil coisas juntas. É uma deficiência, e em alguns incidentes, acabo tendo que lidar com resultados indesejáveis.

Há cinquenta dias tive uma ruptura do tendão da mão direita provocada simplesmente pela mania de fazer as coisas apressadamente.

Não tenho mais tempo para isso.

O tempo parece uma variável elástica, por vezes rola devagar e preguiçoso, quando estamos num churrasco, com amigos, tomando uma cerveja. Em outros momentos, parece frenético, aos saltos, quando tempos que entregar um projeto já atrasado.

Mas o tempo é um só, e é precioso em cada minutinho, e a vida é uma só, e vive-la plenamente é justamente o que estamos fazendo aqui.

Já não tenho tempo para muita coisa, e uma delas é cuidar da vida alheia.

Compreender as limitações.

Aprendi ontem o quanto inflamos as nossas limitações.

Barreiras tão pequenas se tornam montanhas incontornáveis, e algo tão pequeno que não deveria nos preocupar ocupa a tela do nosso radar por completo.

Passei uma boa parte da tarde de ontem no pronto-socorro por conta de um pequeno acidente caseiro que afetou o meu dedo médio da mão direita.

Resultado, um tendão rompido e uma imobilização de 30 dias. Voltei para casa e a limitação parecia tomar conta totalmente das minhas preocupações.

Você é meu espelho.

Olho para você e me vejo em você, e nessa hora você é meu espelho. A interação entre as pessoas produzem uma forte e importante conexão.

Assim como o ar é fundamental para os pássaros, e a água é para os peixes, as pessoas são importantes para cada indivíduo.

Tem uma história que já ouvi muitas vezes. Dois peixinhos conversam e um diz para o outro:-o que é esse tal de oceano que os velhos falam todo tempo?

O mesmo se aplica no nosso caso. Nascemos dentro de núcleos sociais, pais, irmãos e outros familiares. Logo vem os amigos, a escola o trabalho, a nova família, e damos como certo tudo que nos cerca nesse mundo social.

A aventura de encontrar o eu escondido.

Ao longo da vida, escondemos certos atributos, características nossas, que em algum momento temos o impulso e a motivação para procura-las.

É uma tarefa difícil, tão bem as escondemos no sótão da nossa individualidade.

Fazemos isso atendendo as críticas dos pais, irmãos, companheiras e principalmente de si mesmo.

Nos julgamos, criticamos, condenamos e trancamos cada característica condenada em uma sala escondida lá no fundo da nossa existência.