Defeitos Posts

Trate as pessoas com respeito – não pise – não humilhe

Trate as pessoas com respeito – não pise – não humilhe

Trate todo mundo respeito. Pisar nas pessoas, destratar e desdenhar traz para cada um, um saldo enorme de pensamentos negativos que podem atormentar o seu espírito.

Imagine um mundo de gente pensando o seu mal, querendo a sua desgraça. Você pode evitar isso.

Como dizem – não pise nas pessoas quando estiver subindo, pois pode encontrá-las quando estiver descendo.

A vida é cheia de altos e baixos, e as pessoas dependem umas das outras.

Contar vantagens desperta pelo menos 2 sentimentos perversos

Contar vantagens desperta pelo menos 2 sentimentos perversos

Normalmente quando contamos vantagens é porque queremos olhar as pessoas com ar de superioridade.

Queremos nos colocar por cima, e fazemos uso de comentários vazios, arrogantes que provocam um mal-estar e realmente deixam os outros reduzidos. Prejudicam muito os relacionamentos e deixam um rastro de arrogância e prepotência.

É como se jogássemos ovos na própria vidraça, sujando a nossa própria imagem ao contar vantagens.

Quem conta vantagem é porque está se comparando constantemente com os outros, o que por si só já é um obstáculo à felicidade como tenho comentado em minhas postagens.

Parece um contrassenso, mas quando contamos vantagens, nos sentimos diminuídos. Que trabalho inútil – quanto mais contamos vantagem, no fundo, menor nos sentimos.

Apontar os defeitos do outro te deixa mais triste e até doente

Apontar os defeitos do outro te deixa mais triste e até doente

Não coloque tanta atenção nos defeitos do outro. Quando nos fixamos nos defeitos das pessoas, deixamos de usufruir de suas qualidades.

Imagine como se tivesse recebido de presente, um doce, uma iguaria, com uma parte doce de sabor inigualável, e outra parte amarga e desprezível. Quando escolhemos nos fixar nos defeitos das pessoas, é como se escolhêssemos comer apenas a parte ruim do alimento, deixando intacta a parte deliciosa.

Severo com outras pessoas

Severo com outras pessoas

Pare de linchar os outros, como se estivéssemos na época da inquisição.

Não atire pedras nas pessoas. Não saia incriminando de primeira, e não ataque a reputação de outras pessoas gratuitamente.

Fulano é cretino.

Cicrano é pilantra.

Nada disso contribui para a sua felicidade, e pior, é uma atitude que atrapalha o crescimento pessoal de qualquer pessoa, principalmente a sua.

Quando exageramos no julgamento que fazemos dos outros, estamos evidenciando aquilo que não aceitamos em nós mesmos, e isso pode ser uma indicação do fio da meada para melhorar a si mesmo.

Não julgar

Não julgar

Evite sair julgando as pessoas de pronto, como se fosse o comandante do júri.

Aceite as pessoas, sem querer mudá-las. Evite julgar as situações, condenando imediatamente tudo que te cerca, como se o mundo estivesse perdido. Não confie nas notícias, pois as emissoras confiam na nossa propensão natural de se fixar no drama e na desgraça alheia.

Quando enveredamos pelo julgamento indiscriminado das pessoas, certamente nos fixamos naquilo que não gostamos e acreditamos serem defeitos. Com isso, perdemos a chance de apreciar as qualidades dos outros.

A sua voz interior

A sua voz interior

Cuide com carinho da opinião que você tem sobre os assuntos que afetam a sua vida. Preserve a sua voz e a sua posição.

Tenha opinião, ouça a sua voz, não deixe as vozes dos outros abafarem as suas convicções.

Não digo que você tenha que ser teimoso e inflexível – sei que podemos e devemos aprender com a experiência dos outros.

As expectativas dos outros a seu respeito são ingredientes adicionais para a sua jornada. As suas expectativas de si próprio são essenciais.

Não rotule as pessoas

Não rotule as pessoas

Não saia rotulando as pessoas, como se fossem produtos de prateleira, itens de consumo, descartáveis, desnecessários.

Fulano é mesquinho, cicrano é interesseiro. Pare de rotular as pessoas, e não coloque rótulos em si mesmo.

Sempre que colocamos rótulos nos outros, estamos praticando um  julgamento, na maioria das vezes, preconceituoso.

Quando o fazemos em nós mesmos, estamos criando limitações nas quais acabamos acreditando.