Apontar os defeitos do outro te deixa mais triste e até doente

Apontar os defeitos do outro te deixa mais triste e até doente

Não coloque tanta atenção nos defeitos do outro. Quando nos fixamos nos defeitos das pessoas, deixamos de usufruir de suas qualidades.

Imagine como se tivesse recebido de presente, um doce, uma iguaria, com uma parte doce de sabor inigualável, e outra parte amarga e desprezível. Quando escolhemos nos fixar nos defeitos das pessoas, é como se escolhêssemos comer apenas a parte ruim do alimento, deixando intacta a parte deliciosa.

Coisa de criança:

Quando criança, costumávamos comer só o recheio do biscoito, jogando as tampas fora.

Vi que meus filhos faziam o mesmo até que os repreendi. Entendo hoje que comer apenas a parte gostosa do biscoito é algo inocente e guiado pelo instinto ancestral de querer o bom e desprezar o ruim.

No entanto, quando nos tornamos adultos adquirimos esse defeito de caráter indesejável que é o de se fixar nas características negativas das pessoas, deixando assim de usufruir daquilo que têm de melhor.

É o resultado da nossa mente negativa, que olha mais para os perigos, as ameaças e os defeitos.

Você vai encontrar pessoas boas e com qualidades em todo lugar, é só colocar atenção nas qualidades que você está procurando, e nem tanto nos defeitos que você quer evitar.

Otimismo:

Olhar apenas para os defeitos tem a ver com pessimismo, e isso pode ser desaprendido, como ensina Martin Seligman no seu livro Aprenda a Ser Otimista.

Seligman mostra como os pessimistas são menos felizes. As pessoas otimistas não são apenas mais felizes, mas são mais saudáveis. O sistema imunológico emula o caráter otimista do indivíduo.

É uma atitude mental que pode ser aprendida. Olhe para o lado positivo das coisas e preste atenção nas qualidades das pessoas.

Quando prestamos atenção nas qualidades dos outros, despertamos a atenção para o que temos de bom dentro de nós. Passamos a nutri-las e nos tornamos pessoas melhores.

Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta