Abandone a sede de sentir desprezo por outras pessoas.

Fazemos fofocas, sentimos inveja, pensamos o mal para as pessoas.

Você não imagina o mal que isso faz a nós mesmos.

O espírito arrogante imagina que está nos colocando muito acima das outras pessoas, e no fundo, estamos sendo posicionados lá embaixo, na malcheirosa imundície do chão.

Quando a auto-estima está muito baixa, o amor próprio está tão prejudicado que chegamos a nos odiar, e uma maneira de nos maltratar, é maltratar os outros. Talvez esperando um revide, uma agressão e sofrimento.

A baixa auto-estima é uma voz insistente na sua cabeça pedindo para se comportar inadequadamente, ou agressivamente.

Quando a voz se cala, nos deprimimos – quando ela volta, agredimos.

Isso tem remédio.

É preciso elevar a auto-estima.

Algumas recomendações:

Aprenda a gostar de si próprio.

Faça uma lista do que gosta em si próprio.

Faça também uma lista do que gosta nas pessoas mais chegadas.

Toda vez que você se deparar comparando muito com os outros – pare para uma reflexão.

Toda vez que estiver desejando muito aquilo que os outros possuem – pare para analisar se não é um desejo doentio do tipo – quero porque ela tem e eu não tenho.

Não deixe a mente vagar muito nas suas falhas passadas.

Focalize a sua atenção mais nas forças e menos nas fraquezas.

Sinta o frescor da generosidade e dos bons fluidos penetrarem nas suas veias.

Quando a auto-estima está baixa, até aquilo que realizamos é medíocre, pois as nossas expectativas de nós mesmos são modestas.

Se valorize.

Goste de si.

Goste dos outros.

Evite o desprezo a todo custo.

Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta