A vida fragmentada.

Levamos uma vida fragmentada provocada especialmente pela realidade cotidiana. Divididos em tantas coisas que não sabemos quem somos na realidade nem mesmo onde estamos.

Perdemos contado consigo mesmo, pulando de galho em galho sem aproveitar o momento, o fruto que estamos comendo agora, ou a flor, cujo aroma percebemos, mas estamos na correria e não podemos parar para apreciar.

Vivemos em conflito, estressados, com dúvidas e ansiedade.

Estou aqui, mas quero estar lá – conflito.

Conflitos:

Tenho isso, mas na verdade quero aquilo – conflito.

Tenho que me acalmar, tenho que ter paciência e buscar a serenidade para viver o momento, de maneira plena e não fragmentada.

Às vezes parece que o radio fica seguidamente mudando de estação, ora é música, ora é notícia de crime e política.

Acho que a vida fragmentada é um desperdício, como um quebra cabeças sem lógica, cujas peças não se encaixam jamais.

Quero viver plenamente, e me dar o tempo suficiente para apreciar cada momento.

Se o tempo não tem sido suficiente, acho que tenho que desacelerar.

Se a correria me deixa sem fôlego, tenho que diminuir o ritmo.

Muita correria:

A vida não deve ser levada na correria. Temos que ter a chance de saborear os momentos, as interações, as realizações.

É muito comum sairmos de um projeto para outro sem sequer apreciarmos aquilo que conseguimos, as nossas realizações.

Qual o sentido da vida?

Será que é essa correria o sentido da vida?

Custo a acreditar que estamos aqui para correr atrás do rabo.

Quero ter a chance de olhar para frente, e quero olhar de pé, assim consigo ver mais longe.

Quero prestar atenção à vida, e procurar ser feliz inspirado por tudo que ela já me oferece.

R.S. Beco

1 Comentário

aminarafamira

about 5 anos ago

Amei, Deus que pague com melhor, Senhor "Beco"

Responder

Deixe seu comentário

Please be polite. We appreciate that.
Your email address will not be published and required fields are marked