A sabedoria de ensinar.

Não há sabedoria sem ensinamento.

Como dizem, o maior sinal e evidência de sabedoria, é a capacidade de ensinar.

Se não estamos passando adiante aquilo que aprendemos e sabemos, é sinal de que não precisamos aprender mais nada.

Repetição do passado:

A vida deixou de fazer sentido, pois daqui pra frente vai ser um repeteco do que já vimos no passado.

Não vamos mais aprender, não vamos crescer nem vamos mudar o que fazemos hoje. Isso seria um total desperdício da vida, pois temos diariamente, oportunidades para aprender alguma coisa.

O mundo do conhecimento é inesgotável, e as lições que aprendemos na lida das questões corriqueiras são inúmeras.

Sempre temos algo para aprender e para ensinar, temos que tornar esse processo de troca produtivo, pois ele é inesgotável.

Quem passa adiante um conhecimento não fica sem. Um conto chinês relata o caso de dois homens que se encontram no meio do deserto, cada um com uma ideia na cabeça. Ao expressarem a sua ideia um ao outro, saem cada um com duas ideias.

Quem ensina refina o seu próprio conhecimento, e para isso é preciso uma mente aberta para ouvir e assimilar ideias contrárias.

Quando ouvimos uma ideia contrária à nossa, temos uma tendência a se fechar, mostrar contrariedade e com isso fechamos a porta para o aprendizado.

A vida é uma grande escola, onde todos podem usufruir em cada momento do cotidiano.

Prepotência:

A prepotência não nos permite ouvir e perceber ensinamentos que podem brotar de qualquer contado com pessoas, mesmo desconhecidas. Ouvimos conversas nos corredores, na estação de trem, e mesmo quando as mensagens não são para nós dirigidas, podemos aprender alguma coisa.

Mas somos muito preconceituosos, e qualificamos imediatamente a mensagem emitida por uma pessoa de acordo com o seu nível cultural, social. Julgamos até pelas vestes que usa na ocasião. Tudo isso acaba se tornando uma limitação para o aprendizado.

Aprenda a gostar de novos conhecimentos. Fique aberto para reciclar suas ideias, aprender algo novo, descartar algum conhecimento obsoleto ou até mesmo equivocado.

Envelhecer pode ser simplesmente se tornar velho, mas pode também significar se tornar sábio, é o que ensina Zalman Schachter-Shalomi no seu livro “From age-ing to sage-ing”, cujo título faz um jogo de palavras entre a velhice e a sabedoria.

Temos todos que cuidar para não nos tornarmos aquele velho chato, o sabichão, aquele que não aprende mais nada e portanto não está apto a ensinar.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta