A razão e a emoção – o equilíbrio essencial

A razão e a emoção – o equilíbrio essencial

Somos seres racionais e emocionais e não dá para ser diferente – temos que buscar esse equilíbrio.

Não intelectualize a emoção. Simplesmente sinta – sem tanto julgamento racional.

Não racionalize e não busque razões para cada sentimento. Não fique atormentado para explicar o que gosta e não gosta.

Psicólogos conduziram experimentos que mostram que as pessoas que foram solicitadas a explicar uma determinada escolha pessoal acabaram menos satisfeitas com a escolha ao final do experimento.

Muita explicação:

Ao contrário, pessoas que não foram solicitadas para explicar a razão da escolha, continuaram mais satisfeitas ao final do experimento.

É um fenômeno curioso, mas explicar a sua emoção interfere na emoção.

Um sentimento livre e espontâneo é melhor que aquele burocrático, classificado e categorizado.

Quando trazemos a racionalidade para explicar aquilo que emocionalmente escolhemos, acabamos confusos e colocamos em dúvida as próprias escolhas.

Isso vale para os relacionamentos e as decisões nas quais colocamos muito as emoções. Não deveríamos nos colocar em posição de explicar tudo isso.

Resumo: não vamos burocratizar os sentimentos.

Ainda bem que somos diferentes e temos diferentes preferências. E quanto a isso, não há uma equação científica que determine as razões de tantos gostos diferentes.

Isso nos permite sermos livres nas nossas escolhas, poéticos nas preferências e leves no nosso modo de viver.

Se queres apreciar mais, explique menos.                                                                                                                                       Rubens Sakay (Beco)

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta