A pior coisa que já aconteceu.

Todos nós temos um fato, uma passagem que foi sem dúvida a pior coisa que nos aconteceu.

Vamos fazer um exercício interessante, relembrando o fato.

Pegue um papel e comece a escrever sobre o fato, assim como você vê hoje.

Pode ser a morte de um familiar, o descasamento, a doença ou a perda do emprego, algo que realmente marcou a sua vida.

Se você se sentir emocionalmente tocado pelo fato e a dificuldade seja muito grande, passe para outro fato sobre o qual você consiga escrever.

Escreva:

Escreva como você se sente agora que tudo passou e que o tempo deu conta de jogar um pouco de terra por cima.

Relate as conclusões que você tirou, passados esses anos todos, com o olhar mais maduro.

Depois, passe para a segunda fase, pegue outra folha de papel e leve a sua mente para a data do evento, quando isso aconteceu.

Lembre-se como você se sentiu, a raiva, a mágoa. Enfim, todos os sentimentos, percepções, pensamentos que passaram pela sua cabeça e toda perturbação que isso te causou.

Escreva sobre tudo isso, os transtornos pessoais e os desdobramentos na sua vida e de seus amigos e familiares.

Agora coloque as duas folhas lado a lado e perceba o fenômeno que tomou lugar entre uma folha e outra.

Veja como você foi capaz de sublimar o evento, impedindo que isso te limitasse de seguir adiante.

Passado:

Lá no passado, a culpa tomou conta de si própria, e mais, você escolheu alguém para Judas e jogou a culpa toda nela.

Ao longo do tempo, você começou a dividir a culpa com mais pessoas. Depois você começou a atribuir a culpa às circunstâncias, e no final aos fatos e eventos que estão fora do seu controle.

Lá no passado, parecia que o mundo havia desabado sobre a sua cabeça, era o fim. Depois você conseguiu levantar a cabeça por sobre os escombros e seguiu adiante.

Lá no passado você não aceitou e se revoltou contra tudo e contra todos. Ao longo do tempo, você foi capaz de aceitar as coisas sobre as quais você não tinha qualquer responsabilidade.

Lá no passado, você sentiu abandonado até pelo seu Deus. Com o tempo você concluiu que não foi abandonado e que sempre pode contar com os seus amigos e familiares e especialmente com Alguém lá em cima.

Lá no passado você sentiu incapaz e totalmente exaurido da energia necessária para se recobrar. Depois, você descobriu o quanto é você forte e quanto é capaz de se recobrar das adversidades, praticamente intacta, refeita e fortalecida.

A sublimação é isso. Não é resignação e nem desistência.

É, sobretudo, uma demonstração de força, de maturidade e de honestidade consigo própria.

Beco

 

2 Comentários

Diana

about 5 anos ago

Olá! Adoraria compartilhar ou curtir esse tema no meu face, o que acha de incluir essas opções em seu blog?!! À propósito adorei o texto...é um exercício difícil porém quem nunca passou por uma situação dessas não é?!! Abraços e continue escrevendo, pois passo por aqui quase todos os dias?

Responder

Beco

about 5 anos ago

Amiga, Grato pelos comentários e também pela recomendação de incluir a interação no Facebook. O amigo que me estimulou a criar o blog também me disse o mesmo. Não sei muito bem como faço isso, mas vou pedir ajuda e implementar. Um abraço. Beco

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta