A nossa criança interior.

Temos que encontrar a nossa criança interior, e não é o adulto ou idoso que se comporta como uma criança, mas aquela criança que guardamos dentro de si, capaz de expressar a alegria nas pequenas coisas.

Quando amadurecemos, substituímos a curiosidade por limitações sociais e parece que nos embrutecemos, que perdemos alguma coisa, e não sabemos como recuperar.

Faz falta aquela capacidade de enxergar a beleza nos momentos singelos e demonstrar gratidão por quase nada.

Onde está a aquela criança sedenta por novidades e conhecimentos.

Coisa de criança:

A criança tão interessada por passeios e reencontro com as pessoas?

Eu acho que não temos que voltar a ser criança, mas podemos buscar na nossa memória emocional, alguns ganchos para capturar aquelas habilidades de outrora.

Você já experimentou se surpreender com coisinha à toa?

E aquela alegria com um presentinho barato?

Eu tenho procurado, agora com sessenta anos, recuperar algumas dessas habilidades, e acho até que isso nos mantém jovens em espírito.

Imaginação:

Quando criança, brincávamos um tempão com algumas poucas caixas de papelão, e a imaginação era infindável.

Que capacidade valiosa aquela, não é?

Estou hoje em visita à cidade onde morei muitos anos quando pequeno, e invariavelmente me vem à lembrança tantos momentos alegres.

A cidade cresceu um bocado, e está em muitos aspectos, irreconhecível, mas as lembranças estão lá, intocáveis na minha lembrança.

Acredito que várias daquelas habilidades ingênuas e também valiosas podem ser acessadas.

Dizem que as pessoas envelhecem e voltam a ser crianças, talvez seja essa recuperação das habilidades esquecidas.

Beco

1 Comentário

Anna

about 6 anos ago

Que blog mais maravilhoso, posso afirma que estou completamente encantada com a energia deste lugar! Parabéns, bons dias, abraço.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta