A mochila cheia de problemas.

Não fique com a cabeça cheia de problemas. Temos muitos problemas, todos nós. Ninguém saiu ileso dessa loteria, todos nós ganhamos problemas suficientes para encher a nossa vida.

Carregamos uma mochila cheia de problemas, e sei que isso costuma pesar um bocado, mas podemos resolver um de cada vez e sentir o peso da mochila diminuir.

Seja persistente, resolva um problema por vez, e não desanime com o peso da mochila, a sua capacidade será colocada à prova constantemente, mas você dará conta do recado, assim está escrito.

Há momentos em que a nossa energia parece se esgotar, e a determinação desaparece, evapora. Se dê um tempo para repousar, aceite o cansaço, o desgaste, a fraqueza e a eventual tristeza.

Somos seres humanos:

Você é humano, e as emoções podem ficar carregadas com tanto peso nas costas.

Respire fundo e quando a energia remanescente for suficiente para unicamente respirar, se dê o direito de ser humano.

Um dia de cada vez, e refletir sobre um pequeno problema, mesmo que a solução não venha de pronto, já é alguma coisa.

Olhe sempre pelo lado positivo, e enfrente tudo de cabeça erguida, ainda que a estrada tenha se estreitado, e a névoa tome conta de tudo pela frente. Acredite num futuro melhor, e tudo vai te parecer mais claro amanhã, com a mente mais arejada e serena.

Quando olhamos a vida de maneira positiva, a mochila pesa menos, e os problemas adquirem a verdadeira proporção.

Ao contrário, com a mente perturbada, só enxergamos a tempestade, as ondas e as águas perturbadas.

Reflita sobre seu progresso:

Olhe por um momento o quanto você já caminhou.

Lembra-se daquele problema que te atormentou no ano passado? O que foi que aconteceu?

Às vezes, só por enxergar o problema na sua realidade, ele deixa de nos amedrontar, e acaba saindo do nosso radar, mesmo sem solução.

Não temos que consertar tudo na nossa vida, assim como num passo de mágica.

Temos que ter paciência consigo mesmo e aceitar pequenos passos, um de cada vez.

R.S. Beco

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta