A felicidade não está na busca da felicidade.

Nos referimos sempre à busca pela felicidade, mas na verdade, é a qualidade dos nossos atos e a positividade dos nossos pensamentos que trazem a felicidade.

A felicidade não é algo que se busca, mas algo que se encontra.

Eu costumo me referir à busca, como uma jornada pessoal, mas concordo com alguns autores de que a felicidade não se busca, mas se encontra.

Somos felizes enquanto corremos atrás dos nossos objetivos pessoais.

Encontramos a felicidade nos relacionamentos, nas realizações e nas surpresas agradáveis que a vida nos reserva.

Um comentário fantástico que encontrei no depoimento de Rebekah Sanderlin no blog da PBS.

Diz ela, que a felicidade é o momento entre os momentos.

A felicidade não pode ser fingida, não pode ser forçada – ela simplesmente está lá.

Caminhamos nessa vida, uma avenida larga de oportunidades.

Qualquer que seja o trajeto escolhido, a felicidade estará lá.

Mas nem tudo é assim garantido. É preciso ficar atento, e viver plenamente, compenetrado naquilo que faz – não alienado feito um robô.

Temos que dar importância às coisas fundamentais e descer da esteira hedônica.

Dizem que você não pode procurar o que já está lá.

A felicidade está lá, portanto é inútil procurá-la.

Isso é um pouco verdade, um pouco exagero.

Se passarmos pela vida sem atenção ao essencial, focado mais nas coisas fúteis e materiais, sequer vamos perceber que a felicidade estava no caminho.

Sem Comentários

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta