A equanimidade tão desejada.

Equilibrar a mente para afastar a ansiedade e o sofrimento, essa equanimidade tão necessária.

É bom neutralizar um pouco esse nosso ímpeto ancestral de aumentar os problemas ou mesmo enxergar problemas onde eles simplesmente não existem.

Não devemos nos deixar sequestrar pelas preocupações excessivas com o futuro.

Não se deixar mais sequestrar por imagens catastróficas que a nossa mente é mestra em desenvolver.

Deixe o feio e o bonito se harmonizarem na sua mente, sem que nenhum tome conta completamente dos seus sentimentos.

Aceitar a existência do certo e do errado, sem que o seu bom senso e tampouco a sua serenidade sejam abalados.

Equanimidade:

Quando experimentamos a equanimidade, evitamos o apego excessivo aos momentos, sejam eles bons ou ruins.

Será que dessa maneira deixamos de usufruir e saborear o bom da vida?

Ao contrário, quando desapegamos, usufruímos plenamente, pois não temos mais aquela ansiedade de impedir que o bom momento passe. Simplesmente aceitamos que eles também passarão.

Deixamos também de resistir tanto e sofrer com os maus momentos. Isto faz com que eles dominem menos os nossos momentos e tampouco deixem marcas desnecessárias na nossa existência.

Aquilo que acontece à nossa volta sejam pessoas ou coisas não devem limitar a nossa felicidade e bem estar, de maneira tão intensa como usualmente ocorre.

Esse desligamento amoroso do nosso mundo externo, um afastamento responsável, sem, no entanto, deixar de participar intensamente de tudo que acontece, é fruto da equanimidade.

Nos deixamos envolver emocionalmente com praticamente tudo que nos acontece, e isso nos desgasta.

Imagine um médico no pronto socorro de uma metrópole, durante o seu plantão noturno de sábado, com tantos acidentes e atentados criminosos, sem contar as pessoas que têm sua saúde agravada repentinamente. Se este profissional não exercitar a equanimidade, o desgaste emocional será suficiente para nocauteá-lo em uma semana.

Os indivíduos comuns, nós, também necessitamos também praticar esse equilíbrio entre se aproximar e se afastar adequadamente dos eventos, dando à nossa mente a harmonia necessária para uma vida saudável.

R.S. Beco

1 Comentário

Denise Teresinha Resende Pessoa

about 5 anos ago

Bom dia Rubens! De verdade que não é fácil praticar a equanimidade, mas se mantivermos na mente o pensamento de que tudo na vida segue o curso que deve seguir, independente da "nossa vontade", fica mais fácil. Para não me desgastar muito tenho procurado amoldar-me diante das situações difíceis que me cabem viver, tentando serenar a mente, para observar os acontecimentos na medida exata que eles tem, evitando a tendência que tenho de exagerar. Tenho tentado também ir com calma para afastar a ansiedade e o sofrimento (na maioria das vezes infundados ou antecipados). Obrigada pelos momentos de reflexão de hoje. - Que seu dia seja bem feliz! abraço. Denise Resende

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta