A empatia enfraquecida.

A empatia é uma das mais importantes capacidades humanas. Somos seres empáticos dizem os cientistas, e a essa característica é uma das explicações para o desenvolvimento da raça humana. Sociedades mais evoluídas e indivíduos menos individualistas.

Mas em alguns casos, mesmo se tratando de pessoas normais, dizem os especialistas, essa capacidade é atenuada, perdida. Nos relacionamentos de longo prazo, a capacidade empática dos casais vai perdendo a força, e isso pode explicar as desavenças de casais, mesmo nas relações mais longevas.

Paixão:

Quando iniciamos um relacionamento, passamos pela fase da paixão, onde abdicamos de muitos dos nossos interesses para mostrar que somos capazes de suprir, proteger, apoiar e amar incondicionalmente.

Amor Maduro:

A segunda fase, um amor mais maduro, onde alguns limites são estabelecidos, mas a empatia impera, e a cooperação e compreensão fazem com que a relação prognostique uma longa vida conjugal.

Mas porque será que a empatia tende a enfraquecer, e perdemos essa capacidade de se colocar no lugar do outro?

Amar e compreender – compreender e amar.

Especialmente no ambiente estressante da competição profissional, a luta para criar os filhos e garantir o sustento adequado, casais, sem tempo para um relacionamento tranquilo acabam por tornar a irritação e o bate boca, o padrão do relacionamento cotidiano.

Não há como experimentar a empatia nessas condições. Há que se cuidar para que a empatia não suma por completo, o que seria uma pena, pois ela é o fio condutor da compreensão humana, um do outro.

A meditação e a busca pela serenidade pode muito bem ser o caminho para reconectar essa ligação entre as pessoas.

A empatia está dormente, anuviada pelo estresse, e a calma pode deixa-la à mostra novamente.

A empatia, segundo cientistas, não é uma decisão racional, de ser ou não ser numa determinada ocasião. Somos empáticos involuntariamente, assim como o nosso cachorro demonstra ser com o dono, e a empatia é deflagrada em nós em frações de segundos, mas precisamos estar com os nossos sentidos abertos.

O estresse é insidioso também contra a empatia.

Precisamos dar tempo para o relacionamento, relacionar e reagir às pessoas com vagar, compenetrados, livres de tanta poluição.

R.S. Beco

1 Comentário

Ideniêr Fernandes Júnior

about 4 anos ago

bom dia Eu combinei com minha esposa de nao nos tratemos de forma que um de nos ou nos dois fiquemos magoados,toda vez que ela comeca eu a lembro do combinado e tudo se Acalma.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta