A adaptação hedônica.

As pessoas se adaptam rapidamente à casa nova, o carro, o emprego e aos prazeres físicos. Isso quer dizer que aquela sensação agradável quando conseguimos os bens materiais e o prazer físico se esgota rapidamente. Por mais que acumulemos, não conseguimos aumentar o nosso bem-estar nem mesmo mantê-lo de maneira sustentável.

No livro recentemente publicado pela prof. da Universidade da Califórnia-Riverside, Sonja Lyubomirsky, The myths of happiness -os mitos da felicidade, ela aborda muito bem esses mitos. Eles nos confundem e criam a ilusão que de estamos no caminho certo quando acumulamos e corremos atrás do prazer e das coisas materiais.

Adaptação hedônica:

É claro que a adaptação hedônica funciona também com os eventos negativos, o que é uma boa coisa. Quando experimentamos uma grande perda, o tempo cuida para que a dor e o sofrimento sejam gradativamente atenuados.

Outro mito abordado pela autora, é que há um dia certo para ser feliz, quando me graduar, quando me casar, quando comprar a casa nova ou quando realizar a viagem dos sonhos.

Certamente vamos nos sentir mais felizes quando isso acontecer, mas a felicidade não será duradoura. Nós nos acostumamos rapidamente e voltamos ao mesmo nível anterior.

Esteira hedônica:

É preciso descer da esteira hedônica e buscar coisas que nos façam mais felizes definitivamente, mudar a maneira de ser e viver, agregando ações que tragam significado à sua vida.

Não devemos fazer promessas furadas para nós mesmos e procurar ser feliz agora mesmo.

A vida é o que transcorre entre um objetivo e outro, e assim, nos trajetos intermediários que somos felizes, onde estamos, com quem estamos e com o que estamos fazendo.

Seja feliz agora.                                                                                R.S. Beco

1 Comentário

Joelson

about 5 anos ago

Oi, Sakay! Este seu texto me fez lembrar de duas frases bastante importantes que li recentemente: "eu me preparei tanto para viver, que fiquei no rascunho". (de Fabrício Carpinejar) e uma do Presidente do Uruguai, Pepe Mujica: "pobre não é quem tem pouco, mas quem deseja infinitamente". Aliás, te recomendo fortemente conhecer a história desta pessoa. É no mínimo curioso como ela encara a vida, sendo presidente de um país.

Responder

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta